Coração pode fazer reparos sozinho, diz estudo

Cientistas britânicos mostraram que células na camada mais externa do coração podem migrar para uma camada mais interna, caso o órgão apresente falhas e necessite reparos essenciais.A migração de células progenitoras é controlada por uma proteína chamada timosina beta-4, uma substância já conhecida, que reduz a perda de células musculares depois de um ataque do coração.A descoberta abre a possibilidade para o uso da proteína no desenvolvimento de tratamentos mais eficazes para doenças do coração.O estudo da University College de Londres (UCL) foi publicado na revista científica Nature.Células progenitoras são semelhantes às células-tronco, pois têm o potencial para se transformar em diferentes tecidos adultos.Acreditava-se que não havia uma fonte destas células no coração, e que elas viriam da medula óssea.A nova pesquisa é a primeira a mostrar que estas células, na verdade, estão dentro do tecido do coração.Novos vasosA equipe da UCL descobriu que células progenitoras sob influência da timosina beta-4, na camada mais externa do coração, podem ser estimuladas a formar novos vasos sangüíneos.Os pesquisadores criaram camundongos sem a timosina beta-4 em seus corações.Os estudiosos descobriram que os corações destes camundongos não se desenvolvia normalmente, o músculo cardíaco mostrava sinais precoces de perda de tecido e o desenvolvimento de vasos sangüíneos era menor.Um exame mais detalhado revelou que, sem a timosina beta-4, as células progenitoras não conseguiram se mover para as partes mais internas do coração e se converter nas células necessárias para a reconstrução de vasos sangüíneos saudáveis, sustentando o tecido muscular.Para investigar se a proteína também pode ajudar a consertar corações danificados de adultos, os pesquisadores pegaram células da camada externa de corações de camundongos adultos e cultivaram estas células em laboratório."Descobrimos que, quando tratadas com timosina beta-4, estas células adultas têm tanto potencial quanto células embrionárias para criar tecido cardíaco saudável", disse o pesquisador-chefe Paul Riley.TerapiaRiley disse que o uso da timosina beta-4 pode levar a uma forma mais eficaz de reparar corações danificados."No futuro, se pudermos descobrir como direcionar as células progenitoras usando a timosina beta-4, teríamos nas mãos uma terapia de grande potencial, baseada nas células cardíacas do próprio paciente", acrescentou."Esta terapia iria contornar o risco de rejeição pelo sistema imunológico, um grande problema com o uso de transplantes de células-tronco de outras fontes. Com o benefício extra de que as células já estão no lugar certo, dentro do próprio coração."O professor Jeremy Pearson, da British Heart Foundation - uma das entidades que deu verbas para a pesquisa - afirmou que os resultados são "importantes"."O grupo de Riley conseguiu um grande passo em direção a uma terapia prática para encorajar corações danificados a se consertarem sozinhos, um objetivo que é urgente para pesquisadores", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.