Jeon Heon-Kyun/Efe
Jeon Heon-Kyun/Efe

Coreia do Norte corta linha da Cruz Vermelha com Coreia do Sul

Pyongyang também ameaçou cortar a ligação direta com as forças da ONU na região da fronteira

Reuters

11 de março de 2013 | 07h50

SEUL - A Coreia do Norte cortou uma linha direta da Cruz Vermelha com a Coreia do Sul, em mais um acirramento da guerra de palavras contra o Sul e os EUA, em resposta a um exercício militar no Sul e às sanções da ONU impostas por seu recente teste nuclear.

O Norte ameaçou cortar a ligação no dia 11 de março, caso os Estados Unidos e a Coreia do Sul não abandonassem seu exercício militar conjunto. A linha direta da Cruz Vermelha é usada para a comunicação entre Seul e Pyongyang, que não têm relações diplomáticas.

"Nós ligamos às 9h e não houve resposta", disse um funcionário do governo da Coreia do Sul. A linha é testada diariamente.

O governo norte-coreano também ameaçou cortar uma linha direta com as forças da ONU na Coreia do Sul, na "aldeia de trégua" de Pammunjom, na fronteira.

As tensões na península coreana têm aumentado desde que o Norte realizou um terceiro teste nuclear, em 12 de fevereiro, provocando novas sanções da ONU.

A Coreia do Sul e as forças norte-americanas estão realizando grandes exercícios militares até o final de abril, enquanto o Norte também está se preparando para um enorme exercício militar em todo o país.

A Coreia do Norte acusou os Estados Unidos de usar os exercícios militares na Coreia do Sul como plataforma de lançamento para uma guerra nuclear e ameaçou acabar com o armistício com os EUA que encerrou as hostilidades da Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953.

O Norte ameaçou um ataque nuclear contra os EUA, mas tal ameaça foi ignorada, considerada como retórica por analistas, uma vez que o Norte não tem capacidade militar para atingir os Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do SulEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.