Coreia do Norte diz que armistício com o Sul é 'inválido'

Pyongyang ameaça encerrar acordo se Coreia do Sul e EUA continuaram com exercícios militares

estadão.com.br

05 de março de 2013 | 09h18

SEUL - A Coreia do Norte disse nesta terça-feira, 5, que irá abandonar o armistício assinado em 1953 e que encerrou um conflito de três anos com a rival Coreia do Sul, caso o Sul e os EUA continuem com os exercícios militares anuais.

A ameaça foi atribuída pela agência de notícias KCNA ao porta-voz do Comando Supremo do Exército do Povo Coreano e eleva o nível da retórica belicosa do Norte, que enfrenta sanções internacionais depois de realizar um teste nuclear no mês passado. O país já alertou sobre a "destruição" do Sul, caso este continue com seus exercícios militares com os EUA.

O comunicado foi feito em meio à divulgação de que Washington e Pequim, que é aliado de Pyongyang, aprovaram o rascunho de uma resolução que deve ser apresentado aos integrantes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta semana.

Teste nuclear

A Coreia do Norte realizou seu terceiro teste nuclear em 12 de fevereiro. Os EUA e outros países temem que Pyongyang esteja se aproximando de seu objetivo de ter mísseis nucleares que possam atingir o território norte-americano. A Coreia do Norte diz que seu programa nuclear é uma resposta às hostilidades norte-americanas.

As duas Coreias ainda estão tecnicamente em guerra, depois que a guerra civil de 1950 a 1953 terminou apenas com uma trégua, ao invés de um tratado de paz.

Com informações da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.