Coreia do Sul quer estimular ecoturismo em fronteira com Norte

Graças a acesso restrito, zona desmilitarizada, que chegou a ser descrita como lugar 'mais assustador do mundo', se tornou santuário de espécies raras.

BBC Brasil, BBC

09 Maio 2012 | 07h57

A região é vigiada por 1 milhão de soldados e conta com 1 milhão de minas terrestres em torno da sua faixa de 248 quilômetros.

O local já atrai anualmente cerca de 6,5 milhões de visitantes, que querem ter a rara oportunidade de poder conferir - mesmo que usando binóculos - como é a vida do outro lado da fronteira, no regime ultrafechado da Coreia do Norte.

Por conta do acesso restrito do público ao local, espécies raras de animais puderam se desenvolver na área da zona desmilitarizada, entre elas garças e esquilos voadores.

Agora, o governo sul-coreano quer utilizar essa particularidade para transformar o local em uma instância de ecoturismo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
coreia do norteecoturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.