Corpo de bebê levado vivo a necrotério será exumado

O delegado Jairo Luiz Duarte, de Piraí do Sul, pedirá a exumação do bebê recém-nascido que foi considerado morto pelo obstetra do Hospital Anna Fiorillo Menarin, em Castro (156 quilômetros de Curitiba), e levado para o necrotério da instituição na segunda-feira. O bebê, que nasceu prematuro de 6 meses e pesava 650 gramas, chegou a ser resgatado do necrotério, mas não sobreviveu. Segundo o delegado, que está em Castro para ouvir as testemunhas, a análise a ser feita pelo legista indicará se houve imprudência médica. Caso o médico seja considerado responsável, poderá responder por crime de homicídio. "Os depoimentos estão sendo fortes, muito seguros, e depois da análise do IML ele (o médico) será chamado a depor", afirmou Duarte. O médico José Fernando será mantido afastado das atividades durante o processo.

JULIO CESAR LIMA, ESPECIAL PARA O ESTADO / CURITIBA, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2013 | 04h23

Entre os que depuseram ontem estava o pediatra Joaquim Conceição Oliveira, também diretor do hospital. "Ele falou que ainda sentiu a respiração da criança", disse o delegado.

O pai do bebê, Gilmar de Farias, disse ao Estado que ainda estava chocado com a tragédia e o filho que nascera estava programado havia dois anos. "Temos um filho de 8 anos e programamos uma criança para agora, estávamos bem felizes até que aconteceu essa tragédia. A imagem dele em uma caixinha de papelão dentro do necrotério, frio, tudo isso é muito chocante. Esperamos por justiça", afirmou.

Gilmar conta que, segundo relato da mulher, Katisilta de Fátima Viana, logo após o nascimento o obstetra disse que o bebê estava morto e o entregou a uma enfermeira. "A enfermeira o limpou e colocou em uma caixinha. Depois fomos vê-lo no necrotério e minha sogra percebeu a respiração. O pessoal do hospital o levou para uma incubadora, o entubou, mas em seguida ele morreu. Talvez se não tivesse sido levado para lá poderia ter sobrevivido", lamentou. O hospital, que abriu uma sindicância, não atendeu as ligações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.