Corpo de Hélcio Milito é cremado no Rio

Foi cremado na madrugada deste domingo, no cemitério Memorial do Carmo, no Rio, o corpo do percussionista e produtor musical Hélcio Milito. Ele morreu no sábado, aos 83 anos, após dois meses de internação, em decorrência de um infarto. Irmão do pianista e compositor Osmar Milito, Hélcio tocou com grandes nomes da música brasileira, como João Gilberto e Maysa.

FERNANDA NUNES, Agência Estado

08 de junho de 2014 | 12h56

Sua carreira foi iniciada em 1950, no Conjunto Robledo. Em seguida, acompanhou a orquestra de Ary Barroso, entrou para a Orquestra da Rádio Nacional e, em 1962, fundou o Tamba Trio com o pianista Luiz Eça e o contrabaixista Otávio Bailly, substituído mais tarde por Bebeto Castilho.

Com o grupo, excursionou por diversos países, até desligar-se em 1964 para participar de shows com João Gilberto, Stan Getz e Astrud Gilberto, em Nova York. De volta ao Brasil, retornou ao Tamba Trio nos anos 70.

No cinema, Hélcio Milito participou como percussionista na produção da trilha sonora dos filmes "A pedreira de São Diogo", de Leon Hirszman; de "Os cafajestes", de Ruy Guerra; e de "Garrincha, alegria do povo", de Joaquim Pedro de Andrade.

Mais conteúdo sobre:
morteHélcio Milito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.