Corpos das irmãs mortas no Butantã são enterrados

Mãe das meninas, acusada de ter assassinado as duas filhas, continua internada no Hospital Universitário (HU), em São Paulo

AE, Agência Estado

16 de setembro de 2013 | 17h53

O enterro das irmãs de Paola Knorr Victorazzo, de 13 anos, e Giovanna Knorr Victorazzo, de 14, suspeitas de terem sido mortas pela mãe, ocorreu na tarde desta segunda-feira, 16, no Cemitério Jardim Valle dos Reis, em Taboão da Serra. O pai das meninas, Marco Antonio Victorazzo, foi ao Instituto Médico Legal (IML) reconhecer os corpos, que seguiram então para o cemitério.

A mãe das meninas, Mary Vieira Knorr, presa em flagrante no sábado, 14, sob acusação de ter assassinado as duas filhas, continua internada no Hospital Universitário (HU), em São Paulo. No domingo, 15, ela passou por avaliações psiquiátricas no Pronto-Socorro da Lapa e, depois, retornou ao HU, onde passa por mais exames nesta segunda-feira. A corretora de imóveis de 53 anos deverá prestar depoimento assim que tiver alta do hospital, mas ainda não há previsão para isso. A polícia investiga os motivos do crime.

As duas adolescentes foram encontradas mortas em casa na tarde de sábado na Rua Doutor Romeo Ferro, Vila Gomes, zona oeste de São Paulo. Os corpos de Paola e de Giovanna estavam no andar superior da casa, cada uma em um beliche, quando a Polícia Militar chegou. O quarto estava bastante revirado e com fezes de animais. Há a suspeita de que as adolescentes estivessem mortas há mais dias. No box do banheiro do quarto havia ainda um cachorro morto com um saco plástico amarrado na cabeça.

A mãe das vítimas foi encontrada no chão da sala e afirmou que havia matado as filhas e que queria morrer, segundo a polícia. Havia sinais de gasolina em seu corpo e foi constatado vazamento de gás na residência.

Mais conteúdo sobre:
crimeButantã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.