Correção: Cabral anuncia licitação para helicópteros

A nota enviada ontem, 6 de outubro, contém uma incorreção. O governo do Rio informou que o novo helicóptero que será comprado para uso de suas autoridades terá valor máximo de R$ 8,8 milhões - e não de R$ 17,7 milhões. O preço de R$ 17,7 milhões corresponde à compra de uma aeronave para a Secretaria da Casa Civil e uma para a Secretaria de Saúde.

BRUNO BOGHOSSIAN, Agência Estado

07 de outubro de 2011 | 17h44

Menos de um mês depois de ter confirmado a compra do sexto helicóptero para uso de suas autoridades, por R$ 15,2 milhões, o governo do Rio anunciou uma licitação para adquirir uma nova aeronave, com valor máximo de R$ 8,8 milhões. O equipamento integrará a frota da Casa Civil, usada para transportar o governador Sérgio Cabral (PMDB), o vice Luiz Fernando Pezão e secretários.

Para justificar a necessidade de deslocamentos aéreos para as autoridades do governo, o edital de concorrência afirma que "as difíceis condições de tráfego (da cidade do Rio) tendem ao agravamento, sendo muitas vezes impossível de se prever o tempo dispensado para um determinado trajeto".

Em 14 de setembro, foi homologada a compra do sexto helicóptero da Secretaria da Casa Civil, por R$ 15,2 milhões. As aeronaves mais antigas dessa frota datam de 1990 e 1993, segundo documentos apresentados em junho pelo governo no processo de contratação de seguros para os equipamentos. A Polícia Civil tem um helicóptero de 1983 e a Polícia Militar, um de 1995.

Cabral costuma usar as aeronaves do Estado para percorrer parte do trajeto entre sua residência, no Leblon, e a sede do governo, o Palácio Guanabara, em Laranjeiras. Segundo o governo, o deslocamento aéreo é necessário por motivos de tempo e segurança.

Por via terrestre, a distância entre os dois pontos é de 10 km. Quando voa, o governador percorre de carro os 2 km que separam seu apartamento da Coordenadoria Adjunta de Operações Aéreas, na Lagoa. Lá, ele embarca em um helicóptero que o transporta por 5,3 km até Laranjeiras.

O edital de concorrência alega que a nova aeronave será usada para fiscalizar a execução das obras da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. em nota, o governo também afirma que os helicópteros de sua frota "são absolutamente necessários para que o governador, o vice-governador e os secretários possam acessar com maior facilidade todo o território do Estado", devido a suas características geográficas.

O governo exige que a nova aeronave tenha capacidade para transportar seis pessoas, autonomia mínima de 2 horas de voo, sistema de ar condicionado, assentos em couro e iluminação individual para leitura. A empresa vencedora da licitação também deve treinar dois pilotos e dois mecânicos para manutenção. Também faz parte da licitação a compra de um novo helicóptero para a Secretaria de Saúde do Estado, com características semelhantes, totalizando um valor máximo de R$ 17,7 milhões para as duas aeronaves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.