Correios iniciam vendas de Zona Azul em terceirizadas

Medida visa dificultar a ação de atravessadores, que vendem talões a preços mais altos que o oficial, de R$ 1,80

Elvis Pereira, Agencia Estado

29 de novembro de 2007 | 15h14

As agências terceirizadas dos Correios na cidade de São Paulo iniciaram na terça-feira, 27, a venda de talões da Zona Azul. Com isso, subiu para 473 o número total de endereços onde o motorista pode adquirir os cartões. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que anunciou a ampliação nesta quinta, a medida visa a dar mais conforto aos usuários e dificultar a ação de atravessadores.   Outro objetivo é assegurar que os motoristas possam comprar o talão pelo preço oficial - cada folha custa R$ 1,80 e o bloco com dez folhas para o período de uma hora sai por R$ 18. Ao todo, há 2.500 pontos-de-venda cadastrados pela CET - a lista está disponível no site da CET e no telefone 156. A rede é composta pelas cadeias de lojas da Drogaria São Paulo e do Supermercado Pão de Açúcar, postos da empresa São Paulo Transporte (SPTrans) e, agora, todas as agências da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).   Conforme a CET, atualmente, existem 33 mil vagas de Zona Azul no centro expandido da capital paulista. O tempo máximo de permanência nos espaços é de até duas horas. Nos estacionamentos da Praça Charles Miller, no Pacaembu, zona oeste, e do Parque do Ibirapuera, na zona sul, este tempo é maior por causa das características peculiares, segundo a companhia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.