Cozinha é poder

Gastón Acurio, o chef, o líder social peruano, é obviamente a face mais famosa da chamada escola novandina. Explorando ceviches, parrilladas, a cocina chifa e outras vertentes mais desde os anos 90, Acurio revisitou a tradição peruana a partir de técnicas modernas - e, assim, construiu um império internacional. Dezenas de empreendimentos depois, entretanto, o cozinheiro-empresário continua a ter no Astrid & Gastón o seu restaurante assinatura. A matriz em Lima (há outros sete A & G pela América Latina) é inclusive a representante do Peru no top 50 da revista Restaurant.

LUIZ AMÉRICO CAMARGO, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2011 | 03h09

Sendo assim tão globalizado, o A & G é o que, limenho, cosmopolita, contemporâneo? Eu diria que se trata de um belo restaurante, com a virtude de ter encontrado uma embocadura internacional para uma cozinha de muita personalidade. Seu ambiente poderia estar inserido em qualquer grande capital; o serviço é bem treinado; os pratos são tecnicamente bem executados.

A recomendação da casa, para o "pleno conhecimento da filosofia de cozinha", é que o comensal peça o menu de 12 tempos, que demora três horas e custa 170 soles (R$ 100). Se não houver disposição para tanta coisa, todos os pratos da degustação estão no cardápio. Inclusive carros-chefes como o cebiche del amor (com moluscos e crustáceos), o polvo al cillindro e o paiche (pirarucu) orgullo amazónico.

O que dizer? Foi um jantar agradável, equilibrado. Mas que talvez não corresponda a expectativas muito altas, provocadas certamente pela condição de gênio à qual Acurio foi elevado - o que é exagero. O mais justo seria dizer que ele é o mestre de uma linguagem, o que não é pouco. Mas também não é tanto.

Astrid & Gastón. Calle Cantuarias, 175, Miraflores, Lima, 0/xx/51 1 242-5387

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.