Cozinha mineira, no menu do Madrid Fusión

Crítico gastronômico e idealizador do Madrid Fusión, José Carlos Capel acredita que a próxima revolução culinária virá de ingredientes da Amazônia e de chefs de Minas Gerais - o Estado foi escolhido para representar o Brasil na próxima edição do evento, em Janeiro. "Em Minas, há cozinheiros com paixão, com verdadeiro interesse e conhecimento", afirma.

ERICKSON ARANDA, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2012 | 03h11

Por que Minas Gerais foi escolhida para representar o Brasil?

Porque Minas é um Estado com inquietudes gastronômicas, com entusiasmo pela cozinha. Se não faltam produtos no Brasil, falta capital humano, pessoas que saibam interpretá-los e Minas Gerais tem isso.

Em sua opinião, a principal marca da alta cozinha brasileira são os ingredientes?

Sim, esse mistério, essa incógnita, que representa a riqueza de uma despensa de produtos desconhecidos. Eu já dei a volta ao mundo várias vezes e quando estive no Mercado Central de Belo Horizonte vi produtos que desconhecia. Nunca tinha visto tanta variedade como encontrei neste mercado.

O que mais o impressionou?

Sem dúvida, os doces e as formas como se trabalham as compotas, as frutas confitadas em açúcar. Elas me pareceram estupendas! Gostei também dos queijos e da variedade de cachaças. No almoço que tivemos com o governador encontrei uma cozinha muito leve, com pouca gordura, o que é muito importante para a cozinha da atualidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.