CPI convoca Perillo e Agnelo para depor, Cabral escapa

A CPI do Cachoeira aprovou nesta quarta-feira a convocação dos governadores dos governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), para depor. Os parlamentares, por outro lado, rejeitaram requerimento pedindo a ida do governo do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), à comissão

REUTERS

30 Maio 2012 | 17h05

A ida do governador goiano à CPI para prestar esclarecimentos sobre suspeitas de que teria relações com Carlinhos Cachoeira, acusado de comandar uma rede de jogos ilegais, foi aprovada por unanimidade na comissão.

Perillo já havia se colocado à disposição para depor e chegou a comparecer pessoalmente à CPI na terça-feira, mas não prestou depoimento porque ocorria uma sessão administrativa.

Já a convocação de Agnelo foi decidida por um placar mais apertado, em que 16 parlamentares votaram a favor de chamá-lo para prestar esclarecimentos e 12 contra.

"O PT foi pego de surpresa com a convocação de seu governador", disse o líder do PSDB na Câmara, deputado Bruno Araújo (PE).

Já o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), negou que sua legenda tenha sido surpreendida, afirmando que Queiroz não teria "dificuldades" em depor à CPI.

"A questão do Marconi Perillo, de ele se colocar à disposição, é que ele já foi para a corredeira e caiu na cachoeira", disse a jornalistas. "Ele (Perillo) sabe que a situação dele está complicada."

A convocação Sérgio Cabral (PMDB) foi rejeitada por 17 votos a 11.

Perillo e Queiroz são citados nas investigações das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, que servem de base para os trabalhos da CPI.

Cabral não é citado, mas é amigo pessoal de Fernando Cavendish, ex-presidente da construtora Delta, suspeita de ter Cachoeira como sócio oculto e que teria sido usada por ele para lavar dinheiro obtido com jogos ilícitos.

Antes da rejeição do requerimento, o governador fluminense disse a jornalistas no Rio de Janeiro que não via motivos para sua ida à comissão.

"Essas ilações são de uma irresponsabilidade completa, desrespeito completo com a minha pessoa, com a administração que a gente vem fazendo aqui", disse após inauguração de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Complexo do Alemão.

"Você não pode transformar uma CPI numa CPI de palanque político em ano eleitoral. Você não pode, porque ai você perde completamente... e os parlamentares têm sido muito responsáveis nesse sentido."

Segundo o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), a não convocação de Cabral justifica-se pela falta de indícios que o liguem a Cachoeira ou à rede do suposto contraventor.

"Há indícios mais contundentes no que diz respeito aos dois governadores (Queiroz e Perillo)", reconheceu Cunha. "É claro que há nível de envolvimento diferente com a organização criminosa. O governador Marconi Perillo, é muito mais evidente o seu envolvimento."

Alguns integrantes da CPI, no entanto, creditam a não convocação de Cabral a um acordo entre parte do PSDB e o PMDB. Além de poupar o governador fluminense, os termos do trato incluem uma postura menos agressiva do PMDB em relação a Perillo.

"Houve um acordo tácito entre uma parte do PSDB com o PMDB... é o típico comportamento daqueles que não querem apurar", disse o líder petista na Câmara.

"Ficou muito clara a digital de um acordo entre o PMDB e o PSDB", afirmou o deputado Sílvio Costa (PTB-PE).

O líder tucano na Câmara negou que tenha havido acordo.

"O acordo nosso era de convocar o governador Marconi Perillo", disse Araújo, reafirmando que o governador se colocou à disposição para explicar as denúncias.

A convocação ou não dos governadores vinha gerando polêmica entre os membros da CPI. Cunha, inclusive, chegou a defender que não seria o momento mais oportuno para que os governadores comparecessem à comissão, pois poderiam fazer um discurso de defesa que dificilmente poderia ser contestado.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello; Reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.