Crédito está curto, mas Petrobras não será afetada, diz Foster

A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, admitiu nesta segunda-feira que as condições de crédito estão mais complicadas no mercado, mas afirmou que a estatal não será prejudicada. "É um momento de crédito curto e difícil. Bons projetos têm financiamento e os projetos da Petrobras passam por uma inquestionável robustez", afirmou a diretora a jornalistas, após participar de um evento no Rio promovido pelo Instituto Brasileiro de Estudos do Direito da Energia. "É um momento que se avalia e reavalia projetos. Isso faz parte e não vejo pessimismo para uma empresa que tem a robustez da Petrobras e que tem reservas inquestionáveis como é o caso do pré-sal", adicionou a executiva. A instalação dos terminais de regaseificação de GNL (gás natural liquefeito) em pontos da costa brasileira vai seguir, embora em ritmo menor, disse ela. A Petrobras já opera uma planta de GNL no Ceará, no porto de Pecém, e tem outra unidade em fase de teste na Baía de Guanabara. A terceira planta de GNL da estatal será instalada no sul do país, com o projeto tendo início em 2009. "Vai ter a terceira planta, mas não vamos fazer nessa loucura (rapidez) que foram feitas as primeiras plantas", afirmou Graça Foster. "Para o terceiro terminal, muito provavelmente vai ser no Sul, não tem o ponto exato... eu quero começar o trabalho básico no próximo ano e essa planta vai ser o mais próximo dos nossos gasodutos", acrescentou. A diretora comentou ainda a notícia de que a gigante russa Gazprom montará um escritório no Brasil. Ela prevê possíveis parcerias com a empresa no futuro. "Temos sempre, historicamente, aproximação com a Gazprom. Eles têm a experiência absurda de 25 por cento do gás do mundo". (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.