Crédito imobiliário com poupança soma R$7 bi até junho

O financiamento imobiliário por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) cresceu 67,4 por cento no primeiro semestre contra o mesmo período em 2006, chegando a 6,94 bilhões de reais, informou nesta segunda-feira a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). "Neste ano devemos fornecer crédito entre 12 bilhões e 15 bilhões de reais, um número que será o maior de todos os tempos", disse à Reuters o diretor da Abecip Osvaldo Fonseca. De janeiro a junho, foram financiadas quase 81 mil habitações com empréstimos a partir de recursos da poupança, ante 51 mil no mesmo intervalo do ano passado, de acordo com a Abecip. As previsões são de financiamento de 150 mil unidades em 2007. Em meio à recuperação da construção civil, o volume de financiamentos imobiliários contratados pelos agentes que integram o SBPE apenas em junho atingiu 1,4 bilhão de reais --alta de 56 por cento em relação ao mesmo mês de 2006. Foi o segundo melhor resultado mensal de 2007, atrás apenas de maio. Conforme a Abecip, também foi expressivo, em junho, o ritmo da captação de recursos em contas de poupança. Os depósitos superaram os saques em 1,8 bilhão de reais no mês passado, elevando a quase 6 bilhões de reais o total líquido captado nos primeiros seis meses do ano. "Tanto o desempenho das contratações como da captação de recursos decorrem, entre outros fatores, da estabilidade econômica. Esta propicia o aumento da segurança das pessoas, que podem planejar a longo prazo, favorecendo, assim, decisões como o da tomada de um financiamento imobiliário", disse a Abecip em um comunicado à imprensa. Para Fonseca, as perspectivas seguem positivas para 2008, ainda que a expansão não seja tão vigorosa quanto a dos últimos anos, nos quais houve recuperação da construção após período de estagnação na década dos anos 1990. "Estamos crescendo 50 por cento sobre o ano anterior já há alguns anos. No ano que vem deve haver pelo menos uns 20 por cento de crescimento, com um pouco mais de equilíbrio no mercado. Mas seguirá forte e pode ser mais que isso", disse ele.

MAURÍCIO SAVARESE, REUTERS

16 Julho 2007 | 16h48

Mais conteúdo sobre:
MANCHETES CONSTRUCAO CREDITO ATUAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.