Cremesp e MP apuram morte de bebês no interior de SP

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) e o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) abriram procedimentos para investigar a morte de10 bebês - nove deles nos últimos 60 dias - no Hospital da Mulher de Araçatuba, a 540 quilômetros de São Paulo. Os bebês foram retirados sem vida do útero de suas mães entre os 29º e 39º meses de gravidez. Há suspeita de erro ou negligência médica, uma vez que os pais das crianças dizem que seus filhos chegaram vivos ao hospital.

CHICO SIQUEIRA, Agência Estado

13 de maio de 2011 | 18h21

Num dos casos, o hospital, que é do município, acusa o governo do Estado de não disponibilizar vaga para uma paciente com parto de risco, que teria perdido o bebê após esperar uma vaga da Central de Regulação Estadual. No último caso, ocorrido em 9 de maio, o pai do bebê disse que seu filho chegou a nascer com vida, mas a direção do hospital nega.

De acordo com Regina Marquezini, diretora do Cremesp, o hospital completou um ano em obras na estrutura. As obras foram exigidas em 2010 pelo Cremesp para que o hospital pudesse atender adequadamente seus pacientes. Por conta da situação, a Vigilância Sanitária negou a renovação do alvará de funcionamento em 27 de abril último.

Ontem, o diretor clínico pediu demissão e hoje autoridades municipais se reuniram com profissionais de saúde para implantar mudanças nos procedimentos cirúrgicos realizados no hospital.

Segundo Regina, o Cremesp já abriu cinco sindicâncias sobre cinco mortes e abrirá outras depois que receber informações da prefeitura. "Vamos apurar se houve erro médico, negligência ou omissão e também apurar se as obras de reforma do hospital têm alguma relação com essas mortes", disse. Segundo ela, a prefeitura alegou que as mortes ocorreram por conta de uma trágica coincidência.

O promotor da Infância e da Juventude, Lindson Gimenes de Almeida, abriu ação civil pública quando seis bebês tinham morrido e vai incluir as outras mortes no processo. Ele convocou testemunhas e médicos para depoimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.