Cresce incidência de novo tipo de gripe suína nos EUA

Um novo vírus da gripe suína está infectando pessoas nos Estados Unidos que têm contato com porcos em fazendas e feiras agropecuárias, afirmou ontem o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do país.

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2012 | 03h04

O número de casos registrados nesta semana está em 165, contra apenas 16 na semana passada. Não houve mortes e apenas cinco pessoas precisaram ser internadas por causa da doença desde o seu surgimento, no ano passado.

A nova variedade de gripe suína, chamada de H3N2v, não é mais perigosa que a gripe comum, mas as crianças são mais vulneráveis a ela. Cerca de 90% dos infectados são crianças que tiveram contato próximo com porcos gripados.

De acordo com a divisão de influenza do CDC, não há risco de contrair a nova gripe pela ingestão da carne de porco, apenas pelo contato com o animal doente.

Na semana passada, foram registrados 120 casos em Indiana, 30 em Ohio, 1 no Havaí e 1 em Illinois, segundo o CDC. A alta de casos é atribuída ao fato de agosto ser a época tradicional das feiras agropecuárias nos EUA.

A vacina para gripe não protege contra a H3N2v, portanto o CDC sugere que sejam tomadas precauções como lavar as mãos antes e depois de contato com porcos que pareçam doentes. Os sintomas da doença são os mesmo da gripe comum. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.