Criança morre ao cair em hábitat de cães selvagens

Acidente em zoo é o primeiro nos EUA em 40 anos; mãe segurou o filho de 2 anos sobre a grade e se desequilibrou

PITTSBURGH, EUA, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2012 | 02h08

Um menino de 2 anos morreu após cair no viveiro de cães-selvagens-africanos (Lycaon pictus) e ser atacado pelos animais, no Zoológico de Pittsburgh, na Pensilvânia, Estados Unidos. Foi o primeiro caso de morte de um visitante do zoológico e o primeiro de uma criança em um estabelecimento regular nos Estados Unidos em 40 anos.

O acidente ocorreu na manhã de anteontem, quando a mãe da criança, que não teve o nome divulgado, segurou-a sobre a grade de cerca de 1,2 metro que demarca o hábitat dos animais. Ela se desequilibrou e o menino caiu por mais de 3 metros, dentro do viveiro dos cães.

"O menino era tão pequeno que quicou", afirmou ontem em uma entrevista coletiva a diretora-geral do zoológico, Barbara Baker, que chegou a chorar. "Ele quicou duas vezes e caiu dentro do hábitat."

Ela revelou que a autópsia demonstrou que a criança sobreviveu à queda, mas foi morta pelos cães, que a atacaram com rapidez e ferocidade.

Um dos animais teve de ser abatido a tiros durante a tentativa de resgate da criança, que durou cerca de 5 minutos. Os funcionários do zoológico afirmaram, entretanto, que a morte da criança foi rápida e que seu resgate não teria sido possível.

O zoológico foi fechado pouco após o acidente e deve ser reaberto hoje. A polícia investiga o caso e os pais da criança morta estão recebendo acompanhamento psicológico.

Os cães-selvagens-africanos, também conhecidos como mabecos, têm o tamanho de cachorros comuns e pesam de 17 a 39 quilos, de acordo com os funcionários do zoológico. Têm orelhas grandes e círculos escuros em volta dos olhos. A espécie corre risco de extinção. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.