Crianças negras asmáticas são mais sensíveis ao fumo

As crianças asmáticas negras sofrem a poluição ambiental ligada às toxinas do tabaco mais do que as brancas, revelou um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Chest.Cientistas do Centro Médico do Hospital Infantil de Cincinnati examinaram 220 crianças asmáticas expostas à fumaça do tabaco.Os resultados mostraram que as crianças negras, mesmo expostas por menos tempo à fumaça, mostraram maior absorção de cotinina, um produto do metabolismo da nicotina. Em média, os níveis foram 32% maiores que nos brancos.A análise no cabelo de todas as crianças mostrou que entre os negros os níveis de cotinina eram quatro vezes mais altos que nos brancos."As crianças afro-americanas sofrem de maior incidência detranstornos vinculados ao tabaco, como asma, síndrome de morte infantil repentina, e menos peso ao nascer. Precisamos saber o motivo", disse Stephen Wilson, médico da Universidade de Cincinnati.Ele acrescentou que estudos anteriores em fumantes adultos já tinham estabelecido diferenças raciais.Qualquer que seja o resultado da pesquisa, porém, "a exposição à fumaça é nociva para todos, não importa a idade ou etnia", disse Mark Rosen, presidente do Colégio de Médicos Torácicos dos EUA.

Agencia Estado,

13 de março de 2007 | 04h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.