Crimes contra o patrimônio crescem em São Paulo

Os crimes contra o patrimônio na capital aumentaram nos três trimestres deste ano em comparação com igual período de 2008. Os roubos de veículos lideraram o ranking e cresceram 19,84%. Já o latrocínio (roubo seguido de morte), crime contra a vida, com 79 ocorrências, subiu 54,9% e superou os 69 casos de 2008, conforme antecipou o Estado no dia 16.

Josmar Jozino e Leandro Calixto, JORNAL DA TARDE, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

Os números oficiais da estatística trimestral da criminalidade foram disponibilizados ontem à noite no site da Secretaria da Segurança Pública (SSP). Ao contrário das divulgações anteriores, dessa vez a pasta não convocou entrevista coletiva para comentar os dados.

Os índices mostram que as Polícias Civil e Militar não conseguiram cumprir uma das metas principais do secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto: combater crimes contra o patrimônio. Houve aumento de 11,03% nos roubos registrados na capital de janeiro a setembro deste ano, em relação a igual período de 2008. O roubo de carga cresceu 19,74% e o furto, 10,39%. Já o roubo a banco caiu 10,25% e o furto de veículos teve queda de 0,54%.

O coronel da reserva da PM José Vicente da Silva Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública, afirmou que, na comparação dos números dos três trimestres deste ano com o mesmo período de 2008, a situação é preocupante. Ele explicou que as Polícias Civil e Militar precisam se aplicar mais no combate ao crime e utilizar métodos de planejamento e ferramentas, como o Infocrim e o sistema Ômega de informações.

O coronel disse que o sistema Ômega é muito sofisticado e foi criado em 2006, após os ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) às forças de segurança, mas só é usado pela Polícia Civil, que tem 2 mil homens treinados para manuseá-lo.

"Nem a Polícia Federal nem a Abin têm essa ferramenta. Ela traz informações de qualquer criminoso, como delitos cometidos, datas,endereços, telefones de parentes, parceiros, vizinhos e todos dados imagináveis. Mas a Polícia Civil precisa agir em sintonia com a PM na utilização dessa tecnologia. Os chefes das duas corporações devem cobrar, mensalmente, resultados dos subordinados. Só megaoperações não adianta."

QUEDA NO TRIMESTRE

Em nota, a SSP informa que a meta de reduzir os crimes contra o patrimônio vem sendo atingida. Mas isso na comparação do terceiro trimestre com o segundo. O número de roubos no Estado caiu 6,31% em julho, agosto e setembro, na comparação com abril, maio e junho deste ano. O de roubos de veículos diminuiu 7,69% e de furtos de veículos, 5,26%. Os homicídios também caíram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.