Cristina anuncia pacote para aquecer economia argentina

Entre as medidas estão estímulo à repatriação de capitais e ao emprego.

Marcia Carmo, BBC

25 Novembro 2008 | 21h24

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou, nesta terça-feira, um pacote com cinco medidas para aquecer a economia do país. As iniciativas incluem a criação do Ministério da Produção para, como afirmou a presidente, "buscar novos mercados" de exportação, e grandes descontos em impostos para os que repatriarem capital para o país ou que o declararem ao fisco. Neste caso, os valores dos impostos serão diferentes para os que declararem os recursos, sem devolvê-los ao país (8%), para os que aplicarem o capital no sistema financeiro (6%), para os que comprarem títulos da dívida do país (3%) e para os que investirem em infra-estrutura, no setor imobiliário e agropecuária (1%). Normalmente, como informou a TV América, essa carga tributária é de 100%. Ou seja, um dólar pago para cada dólar repatriado. Historicamente, investidores e as classes média e alta do país depositam dinheiro no exterior ou fora do sistema financeiro, temendo crises - processo que voltou a se intensificar este ano e que acelerou a histórica bancarrota política e econômica de 2001. Com esta medida, o governo espera aumentar a liquidez e o crédito, escassos no país. Apesar do anúncio, economistas como Eduardo Blasco e Daniel Artana, entendem que o problema continua sendo a falta de confiança no destino do país. "As medidas são ótimas, mas tudo depende do fator confiança", afirmaram. As outras medidas anunciadas pela presidente foram: perdão das dívidas empresariais com o Estado para os que oficializarem a contratação de dez trabalhadores e redução da carga tributária para as empresas que contratarem novos empregados - sendo 50% no primeiro ano e 75% no segundo ano. Política econômica "Enviarei amanhã (quarta-feira) ao Congresso um projeto de lei de conteúdo tributário para promoção do trabalho registrado, visando, principalmente as pequenas e médias empresas e ainda a repatriação de capital", afirmou. Cristina discursou no encerramento da XIV Conferência Anual da União Industrial Argentina (UIA), em um momento em que industriais e trabalhadores reclamam diferentes medidas do governo para evitar a continuidade da desaceleração da economia e a queda nas exportações, no consumo e na geração de empregos. A Argentina cresceu a taxas recordes (acima de 6%) entre 2003 e 2007, mas este ano poderia registrar expansão de 5%. Especula-se que o crescimento pode ser até nulo em 2009. "Nosso objetivo é sustentar a produção, o emprego, o consumo e a exportação", destacou. Cristina reiterou que, apesar das críticas, não pretende mudar o rumo econômico escolhido por seu antecessor - seu marido e ex-presidente Nestor Kirchner - e mantido por ela. "Primeiro falavam (em 2003) que o crescimento econômico não seria mantido. Depois, que o melhor vinha do norte (Estados Unidos), o que a crise provou que não é verdade. E este ano disseram que tínhamos que desaquecer a economia para frear a inflação. Ainda bem que não seguimos receitas das consultorias privadas", disse. Surpresa Os anúncios da presidente surpreenderam os industriais, como reconheceu o presidente da UIA, Juan Lascurain, que esperavam medidas ligadas à maior desvalorização do peso frente ao dólar para "compensar" a desvalorização do real no Brasil - o que, segundo eles, aumenta a competitividade dos produtos brasileiros. "Estamos surpresos, mas muito satisfeitos. Essa redução de impostos vai contribuir para compensar a questão cambial", afirmou. Minutos antes do discurso de Cristina, Lascurain agradeceu o governo por "proteger" a indústria local a partir de medidas no Mercosul e da postura na Rodada de Doha de liberalização de comércio. Brasil e Argentina planejam anunciar, em dezembro, aumento da Tarifa Externa Comum (TEC) do bloco para diferentes produtos, como vinhos e laticínios. Mas os dois países sustentam posturas radicalmente diferentes em relação às discussões sobre Doha. Na semana passada, o secretário de Assuntos Econômicos Internacionais do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Alfredo Chiaradia, disse à BBC Brasil que os países ricos deveriam fazer concessões na área agrícola antes de pedir abertura no setor industrial dos países emergentes. Construção civil A presidente afirmou, em seu discurso, que os detalhes das medidas serão divulgados nesta quarta-feira por integrantes de sua equipe ministerial. Na noite desta terça-feira, Cristina fez outros anúncios para estimular a economia. Desta vez, disse que no dia 15 de dezembro formalizará um pacote de 71 bilhões de pesos para o setor da construção civil - uma das principais alavancas da primeira etapa da retomada do crescimento, a partir de 2003. Na semana passada, após a estatização da previdência privada, autoridades do governo informaram que os recursos poderiam ser investidos neste setor para estimular a economia do país. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.