Cristina Kirchner 'terá saudade de Bush', diz artigo do La Nación

Desinteresse do líder pela América Latina permitiu aproximação de Chávez, diz jornal.

Marcia Carmo, BBC

05 Novembro 2008 | 10h24

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e seu marido, o ex-presidente Nestor Kirchner, "vão sentir saudades de Bush", de acordo com artigo assinado pelo jornalista Martin Kanenguiser na edição desta quarta-feira do jornal argentino La Nación sobre a vitória de Barack Obama nas eleições presidenciais americanas. Segundo o artigo, a política de Bush de "não meter o nariz na América Latina, além de Cuba e Colômbia" permitiu que o casal implementasse uma "errática" política exterior que incluiu a venda de títulos públicos da Argentina para o colega venezuelano Hugo Chávez. Numa tentativa de explicar o sucesso do candidato democrata nas urnas, o La Nación observa ainda que, 16 anos depois, uma famosa frase dita pelo ex-presidente Bill Clinton em sua própria campanha à Presidência - "é a economia, estúpido" - fez com que muitos americanos, agora preocupados com a crise, optassem por Obama, querendo o fim dos tempos de Bush. O La Nación destaca ainda que o voto dos latinos foi "decisivo" para este resultado. Entre abril de 2000 e julho de 2007, informa-se, a população de origem latina cresceu de 10,2 milhões para 45,5 milhões nos Estados Unidos. O jornal especializado em economia, El Cronista, ressalta que a eleição de Obama representa uma "renovação histórica" na Casa Branca, com apoio no Parlamento, e uma "bocanada" de otimismo no mundo, num momento de grave crise econômica. O mesmo tom dado pelos jornais, que em muitos casos fecharam suas edições desta quarta-feira quando a vitória de Obama era uma sinalização e não uma confirmação, é registrado pelas principais emissoras de rádio e de televisão do país. 'Novo capítulo' Os jornais, emissoras de rádio e de televisão da Argentina destacam, nesta quarta-feira, "a vitória histórica" do democrata Barak Obama, como primeiro presidente negro à chegar à Casa Branca. "Histórico: Estados Unidos votou por um presidente negro", escreveu o Clarín, o jornal mais lido do país. Num artigo de opinião, assinado pelo jornalista Marcelo Cantelmi, o título define o sentimento da maioria dos argentinos. "Llegamos" ("Chegamos"). No texto, afirma-se que começa hoje um "novo capítulo, um novo futuro". E ressalva: "Mas será difícil fechar esta tremenda etapa de oito anos que seqüestrou esse país e o mundo. Os dois governos de George W. Bush foram demolidores - guerra e retrocessos. O mundo em fim respira aliviado". O mesmo jornal destaca que a eleição de Obama significa uma "virada na página de uma longa história de ódio e intolerância racial". Já o diário Página 12 afirma que a eleição de Obama mostra o nascimento de "Outro País" e afirma que, pela primeira vez em oito anos de "militarismo e "política ultraliberal", que incluiu a guerra do Iraque e a pior crise econômica desde 1930, os americanos votaram pela "mudança". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.