Cruzeiro é retido em Santos após casos de diarreia

No início do mês, passageiros do mesmo navio sofreram intoxicação

Zuleide de Barros, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2010 | 00h00

Após a confirmação de 60 novos casos de gastroenterite em passageiros do Vision of the Seas, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) resolveu reter o navio para realizar uma desinfecção, retardando em 24 horas a saída do cruzeiro, que deveria ter partido ontem do Porto de Santos.

É a segunda vez que ocorre o surto da doença na embarcação, provocada por um norovírus, de acordo com exames realizados nos passageiros. No início do mês, 348 pessoas apresentaram vômitos e diarreia em roteiro semelhante, com escala em Búzios, no Rio.

Dos 2.093 passageiros que desembarcaram ontem pela manhã em Santos, pelo menos 60 apresentaram sintomas semelhantes. Logo após o desembarque, foi iniciado o processo de desinfecção, seguindo as recomendações da Anvisa, que havia feito as mesmas exigências antes do transatlântico partir para o Rio.

Dessa vez, a recomendação da Anvisa era para que a embarcação permanecesse o maior tempo possível sem a circulação de pessoas.

No cruzeiro previsto para começar hoje, além de eliminar a escala em Búzios, a gerente de Orientação e Controle Sanitário de Viajantes da Anvisa, Karla Baeta, também recomendou aos passageiros para que lavem as mãos regularmente e evitem consumir alimentos de procedência duvidosa nas cidades onde o Vision of the Seas fizer eventuais paradas.

De acordo com a Royal Caribbean, empresa responsável pelo fretamento do navio, o embarque de hoje ocorrerá das 14 horas às 17 horas. Com a mudança no roteiro, a embarcação só vai parar em Ilhabela, amanhã, e deverá retornar para Santos na segunda-feira.

Os hóspedes que optarem pelo cancelamento da viagem receberão uma carta de crédito com validade para os próximos 12 meses. Quem confirmar o embarque apesar das alterações no roteiro receberá um crédito promocional a bordo.

HISTÓRICO

Há duas semanas, o mesmo navio foi retido em Búzios, na Região dos Lagos fluminense, depois de quase 200 pessoas a bordo apresentarem sintomas de vômito e diarreia.

Por determinação da Anvisa, passageiros não puderam desembarcar até que a causa dos sintomas gastrointestinais fosse identificada. Médicos foram levados até o navio para examinar os passageiros.

No ano passado, pelo menos cinco casos de intoxicações provocadas por vírus ou bactérias ocorreram em cruzeiros na costa brasileira, provocando vômitos, diarreias e dores abdominais. Foram registradas pelo menos quatro mortes de passageiros nos navios, provocadas por motivos diversos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.