Cuéllar foi sequestrado 5 vezes

Governador era perseguido pelas Farc havia 22 anos

REUTERS, AP E EFE, O Estadao de S.Paulo

24 Dezembro 2009 | 00h00

O governador de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, foi perseguido pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) por 22 anos. Antes de ser capturado na segunda-feira em sua casa, Cuéllar, que antes de entrar para a política era fazendeiro, já havia sido sequestrado outras quatro vezes por diversas frentes das Farc - sendo obrigado a pagar resgate para conseguir a liberdade.

A primeira vez foi em 1987 quando estava em sua fazenda, no município de Morelia, do qual, mais tarde, ele se tornaria prefeito. A segunda, em 1995, quando ele e a mulher foram interceptados na estrada, a caminho de uma de suas fazendas. Segundo o jornal El Tiempo, de Bogotá, nessa ocasião, Cuéllar havia acabado de fazer uma operação no joelho, mas, mesmo assim, os guerrilheiros o fizeram caminhar por dias e dias na selva nos mais de dois meses que ele ficou em cativeiro - o que lhe deixou como sequela certa dificuldade para caminhar.

O terceiro sequestro ocorreu em junho de 1997, quando Cuéllar já era prefeito, e o quarto em março de 1999, no município de Belén de los Andaquíes. "Ninguém pode imaginar o que é o sequestro até passar por isso. É algo que não desejo nem para meu pior inimigo", disse certa vez, em uma entrevista.

Depois disso, Cuéllar elegeu-se deputado e, em seguida, governador. Recentemente, ele foi acusado de associação com paramilitares de ultradireita que nos anos 80 e 90 eram os maiores inimigos das Farc na Colômbia.

Segundo o filho de Cuéllar, apenas duas horas antes de ser capturado, o governador disse que tinha informações de que a guerrilha estava "preparando algo para estes dias". "É preciso se cuidar", teria dito Cuéllar. Seu corpo foi velado ontem na sede da Assembleia Departamental, em Florencia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.