Cultura Summary

As filmagens de "Homem de Ferro 2" se encerraram apenas na semana passada, mas milhares de fãs puderam conhecer com antecedência alguns novos membros do elenco do filme já no fim de semana, na convenção Comic-Con. Dez meses antes de "Homem de Ferro 2" chegar aos cinemas, em maio de 2010, os fãs viram o industrial e sucente, esta de Milão.

FÃS NO COMIC-CON CONHECEM NOVOS NOMES DE 'HOMEM DE FERRO 2', REUTERS

27 Julho 2009 | 13h48

Uma oferta rival pela firma de investimentos Bernard Krief Consulting (BKC) é "insuficiente", disse nesta segunda-feira o administrador da firma de alta-costura. Dois outros lances foram baixos demais para serem levados em conta.

A empresa Christian Lacroix no passado fez parte do grupo de luxo francês LVMH e hoje pertence à família Falic, proprietária do grupo varejista americano Duty Free Americas.

A Borletti é dona das lojas francesas Printemps.

Regis Valliot, o administrador judicialmente indicado, disse à Reuters: "Várias ofertas foram feitas. Uma delas, vinda da italiana Borletti em conjunto com a Rinascente e associada ao próprio estilista Christian Lacroix, está sendo vista como séria."

Na manhã desta segunda, a BKC disse que tinha oferecido "um valor simbólico" pela Christian Lacroix, maison que considera parte do legado cultural da França.

A BKC foi procurada por Patrick Devedjian, o ministro francês a cargo do plano nacional de recuperação fiscal, para salvar a firma deficitária de alta-costura, que está sob administração judicial há quase dois meses.

A questão também foi discutida pelo novo ministro da Cultura da França, Frederic Mitterrand, sobrinho do falecido presidente socialista François Mitterrand.

A empresa do estilista Christian Lacroix, conhecido por seus vestidos barrocos e bordados, nunca foi lucrativa em 22 anos de existência.

No início do mês, Christian Lacroix montou um pequeno desfile de alta-costura com a ajuda de amigos e costureiras que trabalharam gratuitamente, e muitos observadores temeram que pudesse ser seu último.

Em 2008 a maison Christian Lacroix sofreu perdas de 10 milhões de euros, sobre um faturamento de 30 milhões, e os pedidos para sua coleção de prêt-à-porter feminino para o verão 2009 tiveram queda de 35 por cento.

A BKC disse que fez uma oferta para comprar a Christian Lacroix livre de dívidas e propôs adquirir suas operações comerciais e atividades de alta-costura e garantir o emprego de pelo menos metade dos 120 funcionários.

A decisão da corte comercial sobre os lances de aquisição da maison deve ser tomada em setembro.

A BKC disse que seu objetivo seria multiplicar a receita da Christian Lacroix em cinco vezes em cinco anos.

Nos últimos cinco anos a firma de investimentos já adquiriu cerca de 30 empresas, mais recentemente a Heuliez, fabricante de autopeças.

Mais conteúdo sobre:
SUMMARY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.