Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Cunha diz que Picciani terá que esperar até 2017 para ocupar seu lugar

Reportagem do jornal O Globo informa que pai do deputado ampliou o debate sobre a sucessão à presidência da Câmara em encontro com a presidente Dilma Rousseff

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2015 | 13h23

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), respondeu às articulações do líder do PMDB, Leonardo Piccini (RJ), para ocupar seu lugar no comando da Casa dizendo que o correligionário terá que esperar até 2017, quando termina seu prazo de dois anos na presidência.

Reportagem do jornal O Globo desta quinta-feira, 05, informa que o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani, pai de Leonardo, ampliou o debate sobre a sucessão à presidência da Câmara em encontro com a presidente Dilma Rousseff, o ministro Ricardo Berzoini (Governo) e o assessor especial Giles Azevedo nessa quarta. Como o Estado mostrou no início de outubro, Leonardo Picciani é o preferido pelo governo para ocupar a presidência da Câmara em uma dobradinha com o PT.

"Em 2017 que se candidate", respondeu Cunha às tratativas de seu correligionário.

Cunha e Picciani eram aliados próximos, mas a relação entre os dois azedou depois que o líder da bancada do PMDB na Câmara começou a se aproximar do governo.  Picciani foi contemplado na reforma ministerial do mês passado com duas pastas para a bancada que comanda.

Cunha disse manter uma "relação normal" com Picciani e procurou minimizar a movimentação do peemedebista. "Sou presidente da Câmara, não sou líder do PMDB. Quem está cuidando da liderança do PMDB é o deputado Leonardo Picciani. Se ele, junto com o pai dele, está indo à presidente para tratar de assuntos do Rio ou do PMDB, tem que perguntar a eles e não a mim", afirmou Cunha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.