Curdos do Iraque se defenderão da Turquia, diz líder

Presidente da região curda nega proteção a rebeldes do PKK e pede mais negociação.

BBC Brasil, BBC

19 de outubro de 2007 | 16h20

O presidente da região curda no norte do Iraque, Massoud Barzani, disse nesta sexta-feira que seu povo vai se defender no caso de um ataque de tropas turcas contra os rebeldes curdos vindos da Turquia, que estariam escondidos na região.Barzani rejeitou as acusações do governo turco de que seu governo estaria dando proteção aos guerrilheiros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo), um grupo separatista banido na Turquia, acusado de matar soldados e civis turcos."Se eles atacarem a região do Curdistão, sob qualquer pretexto, estaremos prontos para defender nossa experiência democrática, a dignidade de nosso povo e a santidade de nossa terra", disse Barzani.O presidente disse que os curdos não são culpados pelas ações do PKK e voltou a pedir que representantes da Turquia se reúnam com autoridades curdas iraquianas na capital regional, Irbil.O governo em Ancara se recusa a negociar diretamente com a autoridade regional curda no norte do Iraque, insistindo que toda a negociação seja feita diretamente com o governo central do Iraque, em Bagdá.Na quarta-feira, o Parlamento da Turquia aprovou a moção que prevê uma incursão militar turca no norte do Iraque para capturar rebeldes curdos. Ian Pannell, correspondente da BBC em Bagdá, afirmou que, na verdade, qualquer tentativa de negociação com o PKK teria que passar pelo governo regional curdo e não por Bagdá.Mas o governo turco não aceitaria isto, pois qualquer negociação direta com o governo regional seria equivalente à aceitação implícita de que os curdos no Iraque têm exatamente o tipo de autonomia que o PKK luta para conseguir na Turquia, segundo Pannel.Na quinta-feira, o ministro do Exterior iraquiano, Hoshyar Zebari, pediu que os rebeldes curdos deixassem o norte do país o mais rápido possível, para evitar que a área seja atacada pelos militares turcos.No mesmo dia, milhares de curdos iraquianos das cidades de Irbil e Dohuk fizeram protestos contra as ameaças de invasão da Turquia.Os Estados Unidos pediram que a Turquia "evite ações no Iraque que possam causar uma crise internacional".O PKK luta por autonomia no sudeste da Turquia desde 1984 e mais de 30 mil pessoas foram mortas no conflito. Turquia, Estados Unidos e União Européia consideram o grupo uma organização terrorista.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.