Cursinho do Ceará também distribuiu questões do Enem para 320 alunos

Educação. Cadernos entregues aos estudantes do 3º ano do ensino médio do Colégio Christus, de Fortaleza, também foram dados pelo mesmo professor aos estudantes do cursinho mantido pela instituição; segundo MEC, exame desses candidatos não será anulado

PAULO SALDAÑA , ENVIADO ESPECIAL / FORTALEZA, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2011 | 03h04

Cerca de 320 alunos do curso pré-universitário do Colégio Christus, de Fortaleza, também tiveram acesso com antecedência a questões idênticas às que caíram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Os mesmos cadernos entregues aos alunos do 3.º ano do ensino médio foram também oferecidos aos que realizam cursinhos - e pelo mesmo professor. Informado pelo Estado, o Ministério da Educação (MEC) disse que mantém a decisão de cancelar a prova apenas dos 639 concluintes do ensino médio.

Estudantes do cursinho confirmaram ter recebido o caderno com a mesma antecedência que os outros. "Eu recebi os cadernos e fiz as questões. Até minha irmã, que não estuda no Christus, mas também fez o Enem, viu as questões em casa e resolveu comigo", disse a aluna do cursinho no Christus Amanda Galdino Carneiro, de 20 anos. Segundo ela, foi o professor de física Jahilton Motta quem entregou o caderno com os itens. "Ele comentou para não nos impressionarmos se uma ou duas questões do material caíssem no Enem."

Também estudante do cursinho, Robert Pouchain, de 20 anos, teve acesso ao caderno. "Recebemos o material. Mas as questões do pré-teste já estarem neste Enem mostra uma fragilidade do Inep", disse.

Os dois são alunos da unidade Christus Sul, no Alagadiço Novo, onde o professor Jahilton deu aula ontem - o prédio fica distante da sede localizada na Aldeota, onde o assédio da imprensa é maior e, segundo funcionários, o professor não foi visto nesta semana.

Os alunos contaram que o professor começou a aula comentando o episódio. Ele, que dá aulas há mais de 30 anos no colégio, teria dito que seu nome tem sido "exposto" na imprensa e se defendeu dizendo que não teria feito nada de errado.

Pelo relato dos alunos, Jahilton não deu detalhes de como as questões do pré-teste (realizado na escola há um ano) foram parar nas mãos dele e, depois, entregues aos alunos da escola. "Como ele é coordenador dos professores, é sempre quem entrega esse tipo de material extra", diz Amanda. Os dois alunos defendem o cancelamento total da prova - ou pelo menos das questões iguais.

Sedes. O Colégio Christus tem oito turmas de cursinho pré-vestibular, com estudantes que já terminaram o ensino médio. As aulas ocorrem em quatro das dez unidades do Christus na capital cearense. Segundo alunos e funcionários da escola ouvidos pelo Estado, a maioria dos professores se reveza nas aulas para as duas modalidades.

Em algumas unidades, como a da Aldeota, o prédio tem salas de cursinho e também de 3.º ano do ensino médio. Na unidade Sul, em Alagadiço Novo, onde o professor Jahilton deu aula ontem, há salas de educação infantil e apenas uma voltada ao pré-universitário.

Incoerência. Ao reclamar da decisão do MEC de cancelar a prova apenas dos 639 concluintes do ensino médio, estudantes do 3.º ano também reclamaram da decisão. "Foi muito incoerente. Porque tem aluno do 3.º ano que faltou no dia e não recebeu. E os do cursinho, que também receberam", disse a estudante Lia Albuquerque, de 17 anos.

O Ministério da Educação, por meio de sua assessoria de imprensa, confirmou que não vai alterar a decisão sobre o número de alunos que terão o Enem cancelado e deverão refazer as provas - já marcadas para os dias 28 e 29 de novembro.

Segundo a assessoria da pasta, não há provas de que mais estudantes tenham tido acesso ao material. / COLABOROU CARMEM POMPEU

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.