Custo de extração do pré-sal é 'econômico', diz Petrobras

Estatal investiu US$ 1 bilhão na perfuração de 20 poços do pré-sal no litoral brasileiro desde 2005

Reuters,

22 de agosto de 2008 | 12h12

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira, 22, que o custo de extração por barril das reservas de petróleo do pré-sal na costa brasileira seria "extremamente econômico". "Os custos de extração por barril para a produção piloto, segundo me disseram, são extremamente econômicos", afirmou Antonio Carlos Pinto, gerente de concepção de projetos da Petrobras. Veja também:Mapa da exploração de petróleo e gásEntenda as discussões sobre as mudanças na Lei do Petróleo País pode ter o terceiro maior campo de petróleo do mundoA maior jazida de petróleo do País A petroleira investiu US$ 1 bilhão na perfuração de 20 poços na camada pré-sal no litoral brasileiro desde 2005, e encontrou grandes quantidades de petróleo leve e gás natural. "O principal custo para o pré-sal está na perfuração dos poços", disse Pinto. "Estamos investindo na redução do tempo e do custo de perfuração."  O primeiro poço da Petrobras no pré-sal, perfurado em 2005, custou US$ 240 milhões e levou um ano para ser concluído. Desde então, a companhia reduziu os custos de perfuração para 60 milhões de dólares por poço, e o tempo de conclusão para 60 dias, principalmente por meio de melhores tecnologias e da maior experiência.  A Petrobras anunciou em novembro uma reserva recuperável de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de petróleo no campo de Tupi, na bacia de Santos, maior descoberta em águas profundas na história.  O anúncio e as estimativas sobre uma reserva de 50 bilhões a 70 bilhões de barris de petróleo no pré-sal geraram especulações sobre a possibilidade de o governo assumir um maior controle sobre a riqueza do petróleo.  Algumas autoridades do governo disseram que são favoráveis a uma mudança no modelo de divisão dos ganhos para um sistema similar ao utilizado pela Noruega na extração de petróleo no Mar do Norte.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasPré-SalPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.