D. Eugenio é enterrado na cripta de catedral no Rio

Foi enterrado ontem o cardeal d. Eugenio de Araújo Sales, arcebispo emérito da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Ele morreu na noite de segunda-feira, aos 91 anos de idade.

HELOISA ARUTH STURM , RIO, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2012 | 03h03

Cerca de 5 mil fiéis se reuniram na Catedral de São Sebastião, no centro da cidade, para prestar as últimas homenagens ao homem que dedicou quase 70 anos de sua vida ao sacerdócio na Igreja Católica Romana.

Durante toda a madrugada de ontem, o corpo do cardeal foi velado em vigília na Capela do Santíssimo Sacramento, no interior da Catedral Metropolitana. Pela manhã e no início da tarde, fiéis enfrentaram fila para assinar o livro de registro e dar o último adeus a d. Eugenio.

"O cristão, quando celebra a eucaristia das exéquias, celebra a esperança na vida que não termina com a morte", afirmou o arcebispo do Rio, d. Orani João Tempesta, minutos antes de presidir a última missa de corpo presente.

A cerimônia, que durou duas horas, foi prestigiada por representantes do islamismo, judaísmo, luteranismo e das Igrejas Ortodoxa e Anglicana.

Autoridades civis também estiveram presentes na cerimônia, como o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o governador do Estado, Sérgio Cabral Filho, e a governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Cialini - d. Eugenio nasceu naquele Estado.

Cripta. Após a cerimônia, o corpo de d. Eugenio foi levado à cripta no subsolo da catedral, onde religiosos e familiares se despediram do arcebispo emérito.

"Ao sepultarmos o seu corpo na cripta da catedral, nós estamos colocando uma semente na terra", disse d. Orani. O túmulo de d. Eugenio ficará em frente ao do monsenhor Ivo Antonio Calliari, construtor e primeiro pároco daquela catedral.

Todos os pertences de d. Eugenio - incluindo o barrete, o chapéu vermelho usado pelo cardeal, simbolizando-o como um príncipe da Igreja, que permaneceu exposto sobre o caixão durante toda a celebração - serão levados para o Museu de Arte Sacra do Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.