Da rã, agora tudo se aproveita

Tecnologia desenvolvida pela Embrapa permite retirar a carne do dorso, que vira patê, hambúrguer e salsicha

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 01h29

       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O agora possível aproveitamento integral da carne de rã promete estimular a criação no País. A novidade, uma iniciativa da Embrapa Agroindústria de Alimentos, do Rio, consiste no aproveitamento da carne da região do dorso da rã, normalmente descartada pelos criadores. A pesquisa, incluindo os testes sensoriais, de qualidade e de validade, levou três anos e resultou em três produtos preparados à base da carne de dorso: um patê, um tipo de salsicha e uma conserva de carne desfiada. "Antes, a carne do dorso não tinha valor comercial", diz a pesquisadora Ângela Aparecida Lemos Furtado, responsável pelo trabalho.

Segundo o pesquisador André Yves Cribb, da Embrapa, a região do dorso da rã tem muito osso e cartilagem, dificultando a retirada da carne. "Por ser trabalhoso, os criadores aproveitam só a coxa, considerada a parte nobre da rã." Para facilitar o processo de separar a carne do osso e da cartilagem, a pesquisa testou uma despolpadora - equipamento já usado em pescado - e deu certo. "Essa despolpadora que custa por volta da R$ 30 mil já existe no mercado", diz Cribb. O estudo da viabilidade econômica da tecnologia, já que o criador tem de instalar uma agroindústria para processar a carne, está sendo concluído, informa Cribb.    

 

 

 

Veja também:

link 'Temos mercado para dobrar a produção', garante criadora

 

Animado, o ranicultor Luiz Carlos Dias Faria, do Ranário Toca do Lobo, em São José dos Campos (SP), diz que a pesquisa pode ajudar a popularizar o consumo de carne de rã. "Com o quilo a R$ 40 não dá para aumentar o consumo. Por isso é importante essa iniciativa de fazer hambúrguer, patê, salsicha, linguiça e nuggets, que ajuda a agregar valor à produção", diz o ex-piscicultor, responsável por reerguer a atividade no Brasil com o desenvolvimento da tecnologia de criação de rãs em piscinas de lona.

Nugget. Faria, em parceria com o curso de Gastronomia da Universidade do Vale do Paraíba (Univap), está testando receitas preparadas à base de carne de rã. Ele fornece toda a matéria-prima. "O nugget tem muito potencial e pode compor a merenda escolar de creches de São José dos Campos, já que a carne de rã é magra e nutritiva", diz o coordenador do curso, Warner Rodrigo Aurichio. "Vamos continuar as pesquisas e avaliar o interesse do mercado."

O sistema criado por Faria, mais vantajoso em comparação à criação em tanques de alvenaria, foi lançado em 2007 e já é usado por cerca de 50 ranicultores de todo o País. Alguns trocaram o sistema de criação em tanques de alvenaria pelas piscinas de lona. Um kit para a engorda de 250 quilos de rã custa R$ 1.200.

Para ter escala comercial, são necessários pelo menos quatro kits, que podem ser usados em sistema de rodízio. Faria produziu, em setembro, 75 mil imagos (rãzinha com cauda), e vende para outros ranicultores fazerem a engorda. O ranário possui 300 metros quadrados e 100 piscinas.

"Além de ser muito mais higiênica, a piscina de lona evita que a rã se machuque ao se alimentar, já que a ração flutua. No tanque de alvenaria, ao tentar abocanhar a ração no fundo do tanque, muitas rãs se machucam", diz o ranicultor José Olímpio Moreira, que está na atividade há mais de 35 anos e hoje é funcionário no Ranário Toca do Lobo. "No sistema convencional, o tratador também tem de entrar no tanque, o que aumenta o risco de contaminações e mortes das rãs."

Para o vice-presidente da Associação Brasileira de Criadores de Organismos Aquáticos (Abracoa), Manuel Braz, a criação em piscinas de lona é o futuro. "O custo da criação em alvenaria é muito alto. A criação em piscinas é viável para pequenos produtores e isso pode ajudar o País a aumentar a escala de produção. É importante, porém, que a instalação do ranário seja feita em região apropriada, de clima quente", diz Braz, que preside a Câmara Setorial de Aquicultura e Pesca do Estado. "Estamos também discutindo na câmara a ampliação do abate artesanal, para incentivar criadores."

 

 

 

Leia mais:

blog Blog do Agrícola

blog Orgânicos no varejão da Ceagesp

blog Orgânicos árabes. Uma novidade aqui

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.