Dados da Embrapa serão usados em demarcação,diz ministra

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse há pouco durante audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados que o governo federal utilizará informações dos bancos de dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para embasar os estudos sobre identificação e demarcação de novas reservas indígenas. "A Embrapa tem séries histórias, imagens de satélites e respeito instituição por suas informações", disse ela.

ANNE WARTH E VENILSON FERREIRA, Agência Estado

08 de maio de 2013 | 13h04

Ela reconheceu que existem casos de índios sem ocupação que são estimulados por movimentos externos, que reivindicam áreas em regiões produtivas e consolidadas, e que a situação se agrava quando estão envolvidos pequenos agricultores. Ela disse que muitas vezes os estudos começam sem avaliação externa, "dando início aos conflitos que geram perdedores de todos os lados. É um jogo de perde e perde".

A ministra afirmou que há 80 áreas em estudo para identificação de terras indígenas e muitas requisições. Ela disse que o governo está cumprindo seu papel constitucional de resgatar e fazer justiça em relação à questão indígena. "A Constituinte de 1988 devolveu dignidade e não há grandeza pela metade", disse ela.

Ela afirmou que o governo aguarda uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre os embargos declaratórios relativos ao julgamento da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, que estabeleceu o marco regulatório sobre o assunto. Segundo ela, a ausência de decisão não exime o poder Executivo de buscar respostas.

Ela lembrou que a Fundação Nacional do Índio (Funai) foi criada para proteger e dar suporte aos indígenas. "A Funai está para índios assim como o Ministério do Desenvolvimento Agrário está para os pequenos agricultores e o Ministério da Agricultura está para os demais produtores rurais.

Tudo o que sabemos sobre:
Gleisiterras indígenasEmbrapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.