Debate de cardeais sobre escândalos adia definição da data do conclave

VATICANO - A data do início do conclave que definirá o sucessor do papa Bento XVI à frente da Igreja Católica não foi anunciada ontem, em Roma, e pode não ser definida nem mesmo hoje.

ANDREI NETTO - ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2013 | 02h02

O adiamento da decisão ocorre porque muitos religiosos que participam desde a segunda-feira da Congregação Geral vêm solicitando detalhes sobre temas sensíveis do Vaticano, como corrupção, sexo, pedofilia e vazamento de dados confidenciais da Cúria - o caso Vatileaks. O Vaticano também aguarda a chegada de todos os cardeais com direito a voto para definir a data do conclave.

Debater esses temas foi uma reivindicação feita publicamente nos últimos cinco dias por cardeais de diferentes nacionalidades, entre os quais dois representantes do Brasil: d. Geraldo Majella Agnelo e d. Raymundo Damasceno. Um dos objetivos desses religiosos é tomar conhecimento da investigação pedida em 2012 por Bento XVI a três cardeais.

Juan Herranz, Josef Tomko e Salvatore De Giorgi escreveram um relatório de 300 páginas sobre o Vatileaks e teriam descoberto a existência de redes de tráfico de influências, chantagem e sexo na Cúria, segundo o jornal La Repubblica. Vários cardeais alegam que o resultado da investigação pode afetar o voto dos participantes na escolha do sucessor.

Ontem, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, confirmou que a definição do início do conclave só acontecerá quando as discussões terminarem. Questionado se os cardeais estão debatendo o caso Vatileaks e escândalos recentes - como o de atitude sexual "inapropriada" envolvendo o cardeal britânico Keith O'Brien -, Lombardi evitou entrar em detalhes, mas reconheceu que "questões relativas à atualidade do mundo e da Santa Igreja" estão em pauta, entre as quais "a situação da Igreja, sua renovação à luz do Concílio Vaticano 2.º e a nova evangelização".

A caminho. Outra dificuldade para definir a data do conclave é que nem todos os 115 cardeais com direito a voto chegaram ao Vaticano. Com a chegada de mais quatro eleitores, estavam faltando cinco para fechar o número previsto. São 117 os cardeais que têm o direito de votar, mas dois avisaram que não comparecerão - o arcebispo emérito de Edimburgo, na Escócia, que renunciou após admitir ter tido comportamento sexual inadequado; e o arcebispo emérito de Jacarta, na Indonésia, por problemas de saúde. / COLABOROU JOSÉ MARIA MAYRINK

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.