Debate de cotas na máquina pública é 'inicial'

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, afirmou ontem que o governo ainda discute internamente a implantação de cotas no funcionalismo público. De acordo com Luiza, a discussão está em "fase muito inicial" e não foi apresentada formalmente à presidente Dilma Rousseff.

RAFAEL MORAES MOURA , TÂNIA MONTEIRO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2012 | 02h08

"Essa discussão está em curso dentro do governo. Estamos colhendo pareceres de vários setores, do próprio Ministério do Planejamento e da Advocacia-Geral da União, para que, com esses pareceres, possamos levar uma posição governamental para a presidente, para ela tomar uma decisão", disse a ministra, após cerimônia alusiva ao Dia Nacional da Consciência Negra, no Palácio do Planalto, com participação da presidente.

Conforme o Estado informou ontem, levantamento da Secretaria-Geral da Presidência da República constatou que cerca de 34% dos servidores da Presidência se declaram negros ou pardos, proporção abaixo dos 51,28% da composição racial brasileira. "Precisamos saber em que funções essas pessoas se encontram. Com esse tipo de informação, a gente teria uma condição melhor de avaliar o dado", comentou Luiza.

Durante a cerimônia, comunidades quilombolas de Sergipe receberam títulos fundiários, o que conclui o reconhecimento de seus territórios. Também foram homologadas diretrizes curriculares para que as escolas incluam em suas disciplinas os "valores" dessas comunidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.