Decantar ou arejar? Depende

O decanter, como a crase, não foi feito para humilhar ninguém. Há vinhos que precisam ser submetidos à decantação; outros, têm de ir à oxigenação. Mas esses recipientes, que dão sustos, são simples e, às vezes, desnecessários. O Paladar foi à prova

Luiz Horta,

15 Outubro 2009 | 11h54

PAINEL - Horta, Pasmanik, Pagliari e Daniela: degustando decanters No crescente mercado de aparatos e traquitanas para a enofilia, um dos mais discutidos e que causa mais embaraço é o decanter. Ter ou não ter? De que tipo? Que vinhos precisam de decantação? A própria palavra decantar anda assustando as pessoas. Para começar a responder é preciso desfazer uma confusão. Decantar é diferente de arejar. Vinhos antigos, que formaram uma borra, são os únicos a precisar realmente de decantação – o processo de transferência do líquido da garrafa para outro recipiente qualquer, limpo, feito com atenção e cuidado para que o resíduo fique depositado no fundo da garrafa. Isso é trabalho para um sommelier bem especializado. O que chamamos genericamente de "decantar" deveria ser chamado "arejar". Vinhos muito jovens costumam precisar de uma oxigenação rápida para ficarem mais fáceis de beber. É a aeração, que pedimos ao sommelier para fazer no restaurante enquanto escolhemos o prato. Diante da oferta de formatos e modelos, além de gadgets que prometem solução rápida e mágica para acelerar o processo de respiração dos vinhos, decidimos fazer uma degustação de decanters às cegas. E testar outros aparelhinhos correlatos. O resultado foi inesperado (veja abaixo outros gadgets). Veja também: Tudo que é vidro se degusta com ar Strauss | Este decanter nacional, de desenho simples, cumpre bem seu papel. Decanter Vinhos, R$ 127 (tel. 3073-0500) Amadeo | Um pequeno luxo, a edição especial de aniversário da Riedel. Com seu design, o objeto valoriza o serviço de um vinho raro. Expand, R$ 994 (tel. 3847-4747) Pomerol | Desenhado para os vinhos potentes do Pomerol, é tão bonito quanto o da Amadeo. Expand, R$ 938 (tel. 3847-4747) Ovarius | Polêmico, desenhado especialmente para energizar vinhos segundo a biodinâmica, teve boa performance na prova. World Wine, R$ 250 (tel. 3383-7477) L’esprit et le vin | Francês, em forma de pato. Prático para a mesa, com alça e fácil para despejar o líquido. Mistral, R$ 247,50 (tel. 3372-3400) ALGUNS ÚTEIS E OUTROS NEM TANTO Gadgets são como gremlins: vão se reproduzindo infinitamente. Experimentamos aqueles que têm relação com o assunto decantação. Os produtos de limpeza são bons, lavar bem um decanter é um desafio. Além disso, há um minidecantador de gargalo que, contra toda expectativa, funciona. Já o aparato que prometia amadurecer os vinhos sem ter que esperar por décadas decepcionou. Aerador de vinho da XDModo | Realmente útil, funciona como um oxigenador portátil colocado no gargalo da garrafa. Muito bom. Bacco’s, R$ 48,50 (tel. 3825-2302). Wine Clip | Em vários testes realizados, não apresentou nenhum efeito sensível no aroma ou sabor dos vinhos. Decepcionou.The Wine Clip, R$ 75 (tel. 5631-4756). Escova para limpar da Peugeot | Solução para uma dificuldade constante: limpar o fundo de decanters muito compridos. Útil. Suxxar, R$ 131,90 ( tel. 3842-3200). Limpador para decanter da Dynasty | As bolinhas giram com a água e removem os restos secos de vinho, que ficam no fundo. Útil. Bacco’s, R$ 78,50 (tel. 3825-2302). Secador para decanter Cilio | Parece bobagem, mas tente secar bem um decanter sem quebrá-lo. Bastante útil. Espaço Santa Helena, R$ 85,90 (tel. 3087-5800).

Mais conteúdo sobre:
Paladar decanter vinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.