Decisão de levar PMs a júri por morte de juíza é mantida

A Justiça do Rio de Janeiro confirmou nesta terça-feira, 7, que os 11 acusados de envolvimento no assassinato da juíza Patrícia Lourival Acioli vão a júri popular. A decisão é do juiz Peterson Barroso Simão, da 3ª Vara Criminal de Niterói.

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2012 | 17h54

Na mesma decisão, o magistrado também negou a transferência dos acusados para outras cadeias, conforme pretendia a defesa, alegando problemas de saúde. "No momento, não autorizo transferência de preso para outras unidades. Supostas enfermidades devem ser examinadas pela direção da unidade prisional".

Em dezembro do ano passado, a Justiça determinou que os réus fossem levados à júri popular, mas a defesa dos acusados pediu que a decisão fosse reconsiderada. Segundo o Tribunal de Justiça, Simão não acatou os recursos da defesa dos policiais.

Patrícia Acioli foi morta no dia 11 de agosto de 2011, com 21 tiros, na frente da casa dela, em Niterói. Os acusados serão julgados por homicídio qualificado e formação de quadrilha.

Tudo o que sabemos sobre:
assassinatojuízaRJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.