Decisão de mineiro põe Ciro na mira de PSB e PT

A decisão do governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), de sair da corrida presidencial transformou o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) em alvo imediato de pressões. De um lado, o PSB viu no anúncio do tucano a chance intensificar o discurso em favor da candidatura ao Planalto. Do outro, o PT abandonou o tom paciente e decidiu cobrar do deputado uma definição sobre seu destino político, seja a corrida presidencial ou a disputa para o Palácio dos Bandeirantes.

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

19 Dezembro 2009 | 00h00

No PSB, a notícia alimentou o discurso de que Ciro agora tem a chance de atrair votos mineiros, graças à sua aproximação com Aécio nos últimos meses. Colegas do deputado reconhecem que persiste o desafio de ampliar o leque de alianças para a eleição, mas avaliam que Ciro só ganhou. "Ele foi o maior beneficiado pela desistência de Aécio", disse o líder do PSB na Câmara, Rodrigo Rollemberg (DF).

No PT, por outro lado, dirigentes decidiram aumentar as pressões para que Ciro se decida sobre o convite, que recebeu do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para disputar o governo de São Paulo com apoio do PT. Lula tenta viabilizar uma eleição plebiscitária entre o governador José Serra (PSDB) e a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT). Ciro, entretanto, vem adiando uma definição, fazendo refém o PT paulista, que fica impedido de definir um plano para o maior colégio eleitoral do País.

Até mesmo um dos principais defensores do apoio do PT a uma candidatura de Ciro em São Paulo subiu o tom ontem. "Ciro tem dito que é candidato à Presidência e ele sabe que o PT não pode esperá-lo por tanto tempo", disse o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP). "Passadas as festas de fim de ano, vamos nos sentar com o presidente Lula e definir um candidato para disputar a eleição no Estado."

Dizendo-se empenhado em manter a base aliada unida no Estado, o presidente do PT paulista, Edinho Silva, engrossou o coro. "Essa movimentação do Aécio força a definição do cenário e isso, naturalmente, pressiona Ciro a se decidir", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.