Decisão do STF pode ajudar pesquisas, diz geneticista

Afirmativa potencializou captação de investimento do setor privado para a área, segundo Mayana Zatz

TATIANA FÁVARO, Agencia Estado

18 Julho 2008 | 17h46

A geneticista Mayana Zatz, coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP), disse nesta sexta-feira, 18, que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) pela liberação das pesquisas com células-tronco embrionárias potencializou a captação de investimento do setor privado em estudos nessa área e o apoio de instituições internacionais. A declaração foi feita durante a 60ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Campinas (SP).       Veja também: Supremo autoriza pesquisas com células-tronco embrionárias Entenda o uso das células-tronco  Leia a íntegra dos votos dos ministros do STF (parte 1)  Leia a íntegra dos votos dos ministros do STF (parte 2)  A pesquisadora afirmou que a iniciativa privada da Europa e dos Estados Unidos já demonstram interesse em financiar pesquisas e a maior expectativa, agora, é a de que o setor privado brasileiro também invista nos estudos, já que apenas com recursos públicos a pesquisa pode demorar muito mais tempo segundo a geneticista.Como os estudos nessa área estacionaram por aproximadamente três anos, enquanto cientistas aguardavam a decisão do STF, Mayana disse que agora será necessário reestruturar projetos e encaminhá-los novamente às entidades que possam financiá-los. "Precisamos de investimentos para tornar centros de pesquisa já conhecidos e existentes em centros multiplicadores", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
células-troncoMayana Zatz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.