Defensoria quer recolhimento de livro polêmico

A Defensoria Pública da União no Distrito Federal entrou com ação na Justiça Federal para que sejam recolhidos das escolas públicas os 485 mil exemplares do livro Por uma Vida Melhor. A obra defende que o uso oral da língua popular - ainda que com seus erros gramaticais - é válido para estabelecer comunicação.

Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2011 | 00h00

"Você pode estar se perguntando: "Mas eu posso falar os livro?" Claro que pode", explica um trecho. O livro lembra que, caso deixem de lado a norma culta, os alunos podem sofrer "preconceito linguístico".

Para o defensor público federal Ricardo Salviano, questões de sociolinguística não devem ser discutidas na sala de aula. "Escola é lugar de ensinar a norma culta. Se você diz que falar errado é aceitável, está prestando um desserviço à sociedade."

Uma comissão formada por professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) aprovou Por uma Vida Melhor. Ao todo, 4.236 escolas escolheram o livro, com base em informações que constavam do Guia do Livro Didático.

"Quem define as políticas públicas educacionais é o MEC, que tem responsabilidades, sim, sobre qualquer material encaminhado às escolas e financiado com verba federal", argumenta Salviano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.