Defesa Civil diz que localização do País permite tremores

Tremores que acontecem no Ceará são comuns porque o Brasil situa-se no centro de placa tectônica, informou

Solange Spigliatti, da Agência Estado,

29 Fevereiro 2008 | 13h38

Os tremores que assustaram a população de Sobral, no interior do Ceará na madrugada desta sexta-feira, 29, são mais comuns do que o imaginado, de acordo com a Defesa Civil.   Veja também: Continuam os tremores de terra no interior do Ceará Terremotos no Ceará fazem famílias dormirem em barracas   Segundo explicação do chefe do Laboratório de Sismologia da Defesa Civil do Estado do Ceará, Francisco das Chagas Brandão Melo, o território brasileiro está situado no centro da placa tectônica sul-americana.   São essas placas que, quando movimentadas, causam os tremores, que podem ter uma magnitude maior ou menor. Nesta madrugada, o tremor de maior intensidade chegou a 3.9 da escala Richter.   Brandão afirmou também que "é comum tremores no Ceará, principalmente no norte e leste do Estado. Trinta e dois municípios já apresentaram atividades sísmicas", explica.   Segundo o sismólogo, a cidade de Pacajus registrou, em 20 de novembro de 1980, um tremor de intensidade 5.2, considerado o de maior intensidade no nordeste.   De acordo com Brandão, os tremores acontecem em função da movimentação das placas tectônicas que acabam formando as falhas geológicas. Nas bordas dessas placas, os tremores geralmente são de maior intensidade, o contrário do centro das placas, onde ocorrem tremores de menor magnitude, acrescenta.   Ainda segundo o sismólogo, após a separação da Pangéia, nome dado ao conjunto de todos os continentes que conhecemos - existente há 200 milhões de anos, durante a era Mesozóica - entre 12 a 15 placas tectônicas foram formadas.

Mais conteúdo sobre:
terremotosCeará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.