Defesa Civil interdita casas após deslizamento no Recife

Um dia após o deslizamento de terra que deixou cinco pessoas mortas no bairro do Ibura, na zona sul do Recife, as Coordenadorias de Defesa Civil do Recife (Codecir) e de Pernambuco (Codecipe) voltaram ao local, na manhã de ontem, e interditaram oito casas que ficam próximas aos dois imóveis atingidos pela barreira. Ao todo, 22 casas foram visitadas pelos técnicos. Os moradores das unidades interditadas foram levados para abrigos ou encaminhadas para casa de familiares. As vítimas do acidente foram enterradas no final da manhã. Em nota oficial, a Codecipe informou, em caráter preliminar, que a barreira cedeu em função do estouro de tubulação do sistema público de abastecimento de água. Ainda de acordo com o laudo da Codecipe, a queima de vegetação próxima à tubulação - realizada horas antes do estouro, por moradores da área - pode ter contribuído para o rompimento dos canos. Os moradores da localidade contestam a informação e culpam a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), que não teria atendido a um pedido de conserto de vazamentos na tubulação que estourou. O diretor de engenharia da Codecir, Ronaldo Santos, não quis se pronunciar sobre as prováveis causas do acidente. "Estamos juntando elementos", resumiu. O presidente da Compesa, João Bosco, também prefere esperar a conclusão de outros laudos para falar sobre o assunto. "Trata-se de um problema muito sério. Por isso, precisamos de cautela", afirmou, ontem, em entrevista a uma rádio local. A prefeitura municipal do Recife declarou, também por meio de nota oficial, que irá recuperar as obras de contenção de encostas e as escadarias danificadas. A PCR informou ainda que está prestando assistência psicológica e social aos desabrigados. Hoje, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), realiza uma audiência pública sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.