Defesa diz que havia querosene na boate Kiss

O advogado Omar Obregon, defensor do vocalista Marcelo de Jesus dos Santos, da banda Gurizada Fandangueira, pediu nesta teraç-feira à Justiça uma nova perícia na boate Kiss. A tragédia na danceteria de Santa Maria (RS), em 27 de janeiro, deixou 242 mortos. No pedido, Obregon sustentou que vestígios de querosene teriam sido encontrados na casa e que não foram citados no inquérito policial.

ELDER OGLIARI, Agência Estado

16 de julho de 2013 | 20h01

A Justiça ainda não analisou o pedido. O processo criminal está na fase de instrução. Nesta terça-feira, o juiz Ulysses Fonseca Louzada ouviu sobreviventes da tragédia. Dois sócios da boate Kiss e dois integrantes da banda são acusados de homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar.

Mais conteúdo sobre:
Santa MariaKiss

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.