Déficit externo do Brasil cai a US$591 mi em fevereiro

O Brasil registrou em fevereiro um déficit em transações correntes de 591 milhões de dólares, em linha com o esperado pelo mercado e bem menor que o resultado negativo de 1,882 bilhão de dólares em igual período do ano passado, informou o Banco Central nesta terça-feira.

REUTERS

24 de março de 2009 | 11h10

A expectativa do mercado era que o déficit ficasse em 600 milhões de dólares, segundo a mediana de pesquisa feita pela Reuters junto a 23 analistas. As projeções variaram entre um déficit de 2 bilhões de dólares e zero.

Em 12 meses até fevereiro, o déficit em transações correntes correspondeu a 1,73 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ante 1,76 por cento do PIB em 12 meses até janeiro.

Os investimentos estrangeiros diretos no país somaram 1,968 bilhão de dólares no mês passado. Em fevereiro de 2007, esses investimentos foram de 890 milhões de dólares.

O BC revisou para baixo sua projeção de déficit em transações correntes em 2009 para 16 bilhões de dólares, ante estimativa anterior, feita em dezembro, de 25 bilhões de dólares.

O movimento refletiu principalmente uma redução da projeção para remessas e dividendos --para 15 bilhões de dólares, ante 20 bilhões de dólares-- e uma elevação do prognóstico de superávit comercial --para 17 bilhões de dólares, contra 14 bilhões de dólares.

O BC reduziu fortemente sua projeção para as importações no ano em meio à desaceleração econômica --para 141 bilhões de dólares, contra 179 bilhões de dólares-- e também para as exportações --para 158 bilhões de dólares, frente a estimativa anterior de 193 bilhões de dólares.

A projeção para os investimentos estrangeiros diretos, por outro lado, caiu para 25 bilhões de dólares, ante estimativa anterior de 30 bilhões de dólares. Em 2008, os investimentos diretos no Brasil somaram o valor recorde de 45,060 bilhões de dólares.

(Reportagem de Isabel Versiani; Edição de Alexandre Caverni)

Mais conteúdo sobre:
BACENEXTERNOFEVEREIROATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.