Delegado conclui inquérito da Guilhotina no RJ

As transcrições dos diálogos entre o delegado Allan Turnowski e o inspetor Christiano Fernandes, em cinco interceptações telefônicas, mostram que o então chefe da Polícia Civil avisou ao policial que a Polícia Federal (PF) monitorava por telefone os policiais civis que ocuparam o Complexo do Alemão, em novembro do ano passado.

PEDRO DANTAS, Agência Estado

25 de fevereiro de 2011 | 18h29

"Ao invés de adotar medidas de inteligência policial para saber se o inspetor cometia a infração, ele avisou sobre a interceptação telefônica", explicou o delegado titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRF) da PF, Allan Dias, que comandou a Operação Guilhotina, deflagrada no dia 11. Hoje, Dias concluiu o último dos seis inquéritos da Operação Guilhotina e entregou ao Ministério Público do Rio. Ele indiciou a delegada Márcia Becker por prevaricação por ter avisado a Fernandes que ele era procurado.

Na primeira interceptação, Turnowski age como se alguém estivesse próximo e repetia as informações que o inspetor lhe passava por telefone. Ele pergunta quem a equipe de Fernandes havia prendido no Complexo do Alemão. Após receber a resposta de que o preso era um traficante conhecido como "Piloto", o chefe da Polícia Civil orienta o inspetor. "Vê isto direito. O Harold (Spínola, diretor da Polinter) já passou este Piloto e já está nos grampos que tem alguém lá em cima (preso) com o pessoal da 22ª", disse Turnowski.

O segundo telefonema é mais explícito. "O secretário ligou e falou que caiu na escuta da Federal a prisão deste cara pelo pessoal da 22ª", avisa o então chefe da Polícia Civil. Em seguida, após receber nova confirmação de que o traficante está preso, Turnowski orienta mais uma vez. "Fica esperto aí que a Federal tá dizendo que caiu na escuta que nego já vendeu uma cabeça (extorquiu um criminoso em troca da liberdade). Ainda bem que eu já tinha sido avisado e falei para o secretário. Senão, já estavam queimando vocês". Ele alerta que Fernandes "não pode deixar brecha", pois os policiais civis "eram alvo".

Nas demais gravações, o poder do inspetor impressiona. Em uma delas, Turnowski liga e pede que Fernandes indique uma favela da cidade para uma megaoperação policial no dia seguinte. Outra questão que chamou a atenção dos agentes federais foi o fato de Turnowski ignorar a hierarquia e ligar diretamente para o inspetor, ao invés de acionar o delegado responsável. O ex-chefe da Polícia Civil foi indiciado na semana passada por violação funcional.

Deflagrada no dia 11 de fevereiro, a Operação Guilhotina resultou na prisão de 10 policiais civis, 22 policiais militares e de 11 pessoas investigadas. Entre os presos está o ex-subchefe da Polícia Civil, Carlos Oliveira, que se entregou à PF no dia da operação. Ele é acusado de comandar o esquema chamado de "espólio de guerra", que consiste em desviar armas apreendidas em operações policiais contra a facção Comando Vermelho e revender aos traficantes da quadrilha Amigos dos Amigos (ADA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.