Delegado diz que assassino de Joaquim estava na casa

Peritos não encontraram nenhum sinal de que a residência foi invadida

Renê Moreira, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2013 | 20h46

O delegado Paulo Henrique Martins de Castro, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Ribeirão Preto (SP), disse nesta terça-feira, 3, ter certeza de que o assassino do menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, estava dentro da residência, no Jardim Independência. Porém, Castro não falou quem seria o assassino. Na madrugada em que Joaquim sumiu, o padrasto Guilherme Longo e a mãe, Natália Ponte, se encontravam no imóvel.

De acordo com o delegado, peritos não encontraram na casa qualquer sinal de que alguém tenha entrado na residência. "O menino foi morto dentro de casa e as provas que colhemos até agora são robustas para conseguir uma condenação e apontar a culpa a quem for devida", disse. Joaquim sumiu no dia 5, mas o casal está preso desde que o corpo foi localizado, no dia 10, boiando no Rio Pardo, em Barretos (SP).

Segundo Castro, falta juntar documentos e outras provas para finalizar o inquérito, se tudo ocorrer dentro da expectativa na próxima semana. Os resultados dos exames feitos em tecidos de órgãos do garoto e no sangue são vistos como peças importantes para terminar as investigações.

Recurso. Nesta terça-feira, o advogado Antônio Carlos de Oliveira, que defende Longo, ingressou no Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo com um pedido de agravo regimental. O recurso visa tentar libertar o cliente após duas tentativas frustradas em primeira instância, em Ribeirão Preto, e no próprio TJ.

Por outro lado, o delegado afirmou que pretende pedir a prorrogação da prisão temporária do casal ou apenas do padrasto. Isso para que as investigações possam transcorrer com "tranquilidade", caso ocorra algum atraso. Já o promotor responsável pelo caso declarou que, se a linha de investigação não mudar, o padrasto poderá ser indiciado por homicídio doloso triplamente qualificado, enquanto que a mãe responderia por omissão - pois sabia dos riscos que o filho corria na companhia do companheiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Joaquimdelegado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.