Delegado é exonerado por mau atendimento em Copacabana

Iniciativa da chefe de polícia do Rio foi tomada após vídeo mostrar vítimas de furtos procurando seus pertences recuperados em caixas de papelão na delegacia, sem controle dos policiais

MARCELO GOMES, Agência Estado

02 de janeiro de 2014 | 16h54

A chefe de Polícia Civil do Rio, delegada Martha Rocha, exonerou nesta quinta-feira, 2, o delegado José William de Medeiros do cargo de titular da 12ª Delegacia de Polícia (Copacabana) por considerar "inaceitável" o tratamento dispensado ao público que procurou a distrital nos dois últimos dias, inclusive na virada do ano, quando cerca de 2,3 milhões de pessoas assistiram à queima de fogos na praia.

Dezenas de vítimas de furtos e roubos que procuraram a delegacia tiveram que procurar seus pertences recuperados em caixas de papelão que estavam no chão, sem qualquer controle por parte dos policiais. A confusão foi mostrada em vídeo publicado no site do jornal O Globo.

Em nota, a delegada Martha Rocha disse que Medeiros "não teve capacidade de gestão e gerenciamento, já que todos os recursos solicitados por ele foram atendidos". Para o seu lugar foi indicada a delegada Izabela Santoni, que atuava como adjunta na Delegacia Fazendária (Delfaz).

A delegada Izabela ficou conhecida no ano passado, após indiciar o médico Adão Orlando Crespo Gonçalves por falsidade ideológica e estelionato contra a administração pública. O neurologista faltou ao plantão num hospital público na noite do Natal de 2012. Na ocasião, uma menina de 10 anos que havia sido baleada na cabeça precisou esperar oito horas para ser operada, e acabou morrendo dias depois. Durante as investigações, Izabella descobriu que Crespo Gonçalves vinha faltando os plantões seguidamente, mas mesmo assim assinava a folha de ponto do hospital.

O delegado Medeiros será transferido para a Coordenadoria das Delegacias de Acervo Cartorário (CDEAC), considerada a "geladeira" da Polícia Civil, à espera de nova lotação.

Mais conteúdo sobre:
réveillondelegadoexoneração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.