Delegado fala sobre investigações em Santa Maria

O delegado Marcelo Arigony, que coordena as investigações do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ocorrido no domingo (27) deixando 231 pessoas mortas, afirmou que a ideia é comprovar pericialmente as circunstâncias do acidente já conhecidas a partir de relatos. "A partir desses dados colhidos pela perícia, que a gente já tem de uma forma empírica, nós vamos poder corroborar o panorama probatório", disse.

TÁSSIA KASTNER, Agência Estado

28 de janeiro de 2013 | 10h37

Ele complementou dizendo que a perícia avaliará as circunstâncias do incêndio e também o funcionamento da boate. Os integrantes da banda Gurizada Fandangueira, que fazia o show com sinalizadores provocando o incêndio, já foram ouvidos, de acordo com Arigony. Ele afirmou também que um dos proprietários da boate se apresentou e a política civil investiga detalhes da formação societária do negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.