Dell poderá vender computadores em lojas

A Dell está experimentando novas maneiras de vender computadores, uma estratégia que alguns analistas dizem que é necessária se a empresa quiser competir melhor com a Hewlett-Packard (HP) e a Apple. A empresa, que não chegou a dizer que planeja abrir lojas, ou vender por meio de redes de varejo, informou que fará o que for necessário para atingir os consumidores, que geram 15% de sua receita. O porta-voz da fabricante de computadores, Dwayne Cox, disse que a companhia continua comprometida com sua política de 23 anos de venda direta aos clientes, mas que está aberta a "experimentação". "Estamos realmente interessados no caminho mais direto ao cliente e no relacionamento que se desenvolve ao tomarmos o caminho mais direto", disse Cox. "Claramente, nós iremos experimentar o que for necessário para determinarmos esse caminho para os clientes em mercados atuais e em mercados emergentes." A companhia contratou na semana passada Ron Garriques, ex-chefe das operações com celulares da Motorola, para reestruturar os negócios com consumidores da empresa, assumindo uma nova divisão que supervisiona todas as operações mundiais da Dell voltadas a consumidores finais. Desde sua fundação, em 1984, a Dell tem ficado longe de lojas e vendido computadores diretamente aos consumidores, primeiro por telefone e mais recentemente pela internet. A empresa vinha rejeitando pedidos de analistas e investidores para considerar vendas no varejo. A Dell abriu no ano passado uma loja em Daljas onde exibe, mas não vende, seus produtos, que podem ser encomendados para entrega em casa. Duas outras lojas estão planejadas para Nova York e Austin, no Texas, este ano, segundo a empresa. A companhia também opera cerca de 190 quiosques em shoppings para exibir seus produtos, mas nem as lojas, nem os quiosques, mantêm estoques. "Eles têm que abrir suas próprias lojas ou trabalhar com as CompUSA e Circuit City do mundo", disse Shaw Wu, analista da American Technology Research, citando redes de varejo dos Estados Unidos. A Dell "precisa se adaptar aos gostos dos consumidores". Vendas maiores de PCs no varejo ajudaram a HP a divulgar resultado melhor que o esperado na terça-feira. A Dell, por outro lado, tem enfrentado crescimento lento há dois anos e preços em queda na indústria, o que tem reduzido a importância da vantagem de vendas diretas da empresa. A Dell informou que a nova unidade de Garriques vai "definir novos padrões para design inovador de produtos" e mostrar "liderança em fornecer a melhor experiência para os consumidores". Maior fabricante do mundo A HP tirou da Dell o posto de maior fabricante de computadores do mundo no ano passado, ao vender máquinas por redes de varejo como a CompUSA, que tem mais de 200 lojas nos Estados Unidos, e Circuit City Stores, que opera mais de 600 lojas no país. "Eles (Dell) precisam encontrar uma maneira de ter um componente de varejo que permita aos consumidores tocar e ver os produtos que eles estão tentando vender", disse J.P. Gownder, analista da Forrester Research. Além de trabalhar com as redes de varejo, a Dell deveria considerar a abertura de suas próprias lojas, como a Apple fez para vender computadores e players de música digital, disse Gownder. A Apple tem cerca de 170 lojas que geraram 16% das vendas líquidas da companhia no último trimestre, segundo dados do balanço da empresa.

Agencia Estado,

23 Fevereiro 2007 | 20h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.