Demanda fraca por aço afeta compras de minério na China--mercado

O interesse de compra de cargas de minério de ferro pelo maior consumidor mundial, a China, permaneceu fraco com incertezas sobre quando a demanda por aço vai se recuperar, segundo fontes do mercado.

MANOLO SERA, Reuters

07 de agosto de 2012 | 11h20

Preços de referência de minério de ferro, que atingiram seu mais baixo nível em 31 meses na semana passada, poderiam cair ainda mais em meio a amplas ofertas do produto, com as mineradoras continuando a oferecer o produto, esperando que algumas usinas chinesas voltarão ao mercado para reabastecer os estoques.

Minério de ferro de referência, com 62 por cento o teor de ferro, recuou 10 centavos, para 116,60 dólares a tonelada na segunda-feira, de acordo com Steel Index.

Isso não fica longe dos 115,20 dólares alcançado na semana passada --o mais baixo desde 29 de dezembro de 2009 --embora os preços tenham se estabilizado após a queda acentuada nas duas semanas anteriores.

A queda nos preços de aço chinês, que reflete uma procura fraca, cortou interesse por minério de ferro, forçando os pequenos produtores do maior mercado de aço do mundo a cortar a produção.

Nos primeiros seis meses de 2012, a produção de aço bruto da China, que representa a metade do mundo, cresceu apenas 1,8 por cento ante o ano anterior. No mesmo período em 2011, a produção subiu cerca de 10 por cento.

A Vale, maior exportador mundial de minério de ferro, está vendendo mais 147 mil toneladas, através de um leilão na terça-feira, disseram operadores. Ela vendeu duas cargas, totalizando mais de 300.000 toneladas, na segunda-feira.

O fornecimento contínuo de minério por grandes produtores como a Vale e BHP Billiton também está ajudando a deprimir os preços, com os grandes exportadores continuando a empurrar cargas, com preços spot atuais ainda em cerca de três vezes o seu custo de produção.

Mais conteúdo sobre:
MINERACAOFERROPRECOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.