Democratas elevam tom contra Romney por atuação como executivo

A campanha à reeleição do presidente norte-americano, Barack Obama, intensificou nesta segunda-feira suas críticas a Mitt Romney por cortar empregos quando era executivo do setor financeiro, apesar do alerta de um importante apoiador de Obama de que o ataque pode estar indo longe demais.

PATRICIA ZENGERLE, REUTERS

21 Maio 2012 | 20h35

A campanha democrata lançou um anúncio que mostra ex-empregados de uma firma de material de escritório que faliu depois que Romney, pré-candidato republicano à Presidência, assumiu o comando da empresa Bain Capital, em meados da década de 1990.

Adversários, e também Cory Booker, prefeito democrata de Newark, em Nova Jersey, disseram que as críticas à atuação de Romney como chefe da firma de investimentos Bain pode afetar a livre iniciativa.

Obama foi questionado sobre a estratégia durante entrevista coletiva após a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Chicago.

"A razão pela qual isso é relevante para a campanha é porque meu oponente, o (ex-)governador Romney, seu principal trunfo para por que ele acha que deve ser presidente é sua experiência empresarial", disse Obama. Ele disse que sua campanha não estava atacando as firmas de investimentos em geral.

"Acho que minha visão sobre o investimento privado ... serve para maximizar os lucros, e essa é a parte saudável do livre mercado", disse Obama.

O anúncio veiculado nesta segunda-feira dura quase seis minutos e se passa em Marion, Indiana, Estado que pode ser estratégico na campanha, e onde Obama teve uma vitória apertada em 2008.

A peça mistura uma narrativa jornalística sobre a falência da empresa SCM Office Supplies, onde 350 trabalhadores perderam seus empregos, com depoimentos dos demitidos.

"Para mim, Mitt Romney tira dos pobres e da classe média e dá aos ricos. É o contrário de Robin Hood", disse o ex-funcionário Randy Johnson.

Na semana passada, a campanha obamista já havia começado a divulgar vídeos criticando o fechamento de vagas em empresas administradas pela Bain, das quais algumas faliram. Os anúncios ressaltam que Romney e outros executivos ganharam fortunas nesse período.

Booker, estrela em ascensão no Partido Democrata, disse no domingo pela TV que os anúncios são "nauseantes". Ele depois recuou, mas o estrago já estava feito.

David Axelrod, estrategista da campanha democrata, disse que Booker não entendeu a intenção dos anúncios. "Nesse caso em particular, ele errou", afirmou Axelrod à MSNBC, argumentando que os ataques se justificam porque Romney tenta usar sua experiência na iniciativa privada como trunfo eleitoral.

Mais conteúdo sobre:
EUAELEICOES DEMOCRATAS TOM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.