Densidade de ''teia cósmica'' é calculada

A observação de uma galáxia em forma de bumerangue com o Telescópio Espacial Spitzer, da Nasa, ajudou astrônomos a descobrir que a densidade dos filamentos que conectam aglomerados de galáxias é cerca de cem vezes superior à densidade média do universo.

, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2010 | 00h00

Esses filamentos cobrem vastas distâncias entre "ilhas" de galáxias e formam uma espécie de treliça conhecida como teia cósmica. Embora imensos, os filamentos são difíceis de ver. Há dois anos, o Spitzer revelou que esses fios, contendo galáxias em processo de formação de estrelas, ligavam os aglomerados Abell 1763 e Abell 1770.

Essas observações foram reforçadas pela descoberta, no interior de um desses filamentos, de uma galáxia com formato raro e que emite luz de modo incomum. Gás quente golpeia a galáxia e a força a assumir tal forma, à medida que cruza o filamento, o que ofereceu um novo modo de medir a densidade desse fio. Os cientistas mediram o ângulo de desvio de jatos de material emitidos em direções opostas por um buraco negro no seu centro dessa galáxia e assim calcularam a densidade do filamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.